Recorde de temperatura deve ser revisto, diz Organização Meteorológica Mundial

Após analisar documentos, especialista da OMM diz que registro de 58°C de 13/09/1922 na Líbia é falho e que recorde deve ficar com 56,7°C na Califórnia, registrados em 1913

EFE |

EFE

Durante 90 anos a comunidade científica considerou que os 58°C registrados no dia 13 de setembro de 1922 na Líbia fosse a temperatura mais alta da Terra, um dado que a Organização Meteorológica Mundial (OMM) desmentiu nesta quinta-feira (13) após analisar vários documentos da época.

Um observador pouco experiente e "sem formação no uso dos instrumentos de medição", pode ter lido equivocadamente a temperatura que marcava o termômetro, uma falha que teria sido agravada pelo fato de a estação meteorológica ter sido instalada sobre uma base de asfalto, material que tende a aumentar a temperatura, segundo a OMM.

Leia também:
Estudo americano confirma aquecimento da superfície terrestre
Ano de 2012 é o mais quente da história dos Estados Unidos

Após analisar estes e outros fatores, a OMM rejeitou a validade da medição registrada em 1922 em El Aziza (há 40 km da capital Trípoli) e estabeleceu que a temperatura mais alta atingida na Terra foram os 56,7°C registrados em 10 de julho de 1913 no Vale da Morte, na Califórnia.

O membro do comitê de especialistas da OMM, Christopher Burt, foi o primeiro a questionar a validade da temperatura recorde atingida na Líbia em uma postagem em seu blog, e a partir de então tentou provar a legitimidade do dado.

"A estação meteorológica se mudou de lugar em três ocasiões. Em sua primeira localização (de 1913 a 1920), registrou uma temperatura máxima de 48 graus, enquanto na segunda (de 1920 a 1926), quando o termômetro se situou no topo de uma colina e sobre uma base de asfalto, chegou aos 58 graus", explicou Burt. "A leitura de 13 de setembro de 1922 é inconsistente com a das estações em locais próximos já que nesse dia nenhuma delas registrou uma temperatura maior que 32 graus. Trata-se de uma enorme anormalidade", opinou o especialista da OMM.

Além disso, a OMM analisou também os registros manuais das temperaturas para encontrar um possível erro humano. "A medida de 58 graus está escrita com uma caligrafia diferente dos registros anteriores e parece que o responsável pelo registro não sabia em que coluna anotar as temperaturas", explicou Burt, que sugeriu que as anotações tivessem sido feitas por um "observador inexperiente".

Além disso, as medições escritas com esse tipo de letra na base de El Aziza sempre diferiam sete graus da média das estações vizinhas, o que sugere que o observador não sabia ler corretamente o termômetro.

A medida correta nesse tipo de termômetro é a que marca o extremo inferior da barra magnética, e não o superior, que por sua espessura, daria uma diferença de sete graus a mais. S

egundo a OMM, o observador pode ter tomado como referência o extremo superior e registrado os 57,8 graus, uma medida que na realidade seria de 50,8 graus. O especialista da OMM concluiu que a possibilidade de uma diferença de temperatura tão alta entre a estação de El Aziza e os seus arredores "é muito pequena". 

    Leia tudo sobre: meteorologiacalor

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG