Lixão em Belém ameaça lençol freático

CREA-PA pediu suspensão da licitação do projeto que estende a vida útil do lixão do Aurá por mais 25 anos, por não ter licenciamento ambiental

Agência Estado |

Agência Estado

O Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea) do Pará pediu ao Ministério Público do Estado (MPE) que suspenda a licitação marcada pela prefeitura de Belém para o próximo dia 19 e cujo projeto, estimado em R$ 800 milhões, prevê a utilização do lixão do Aurá, o maior do norte do País - localizado a 19 km do centro da capital - por mais 25 anos.

Leia também:
Lixão de Gramacho é fechado, após 34 anos de operação
Tecnologia inédita no País varre todo o lixo do Rio para cima do tapete
Queimar lixo não é a melhor solução, afirmam especialistas
Construções em aterros ou lixão não deveriam ser feitas, dizem especialistas

O engenheiro civil, sanitarista e professor da Universidade Federal do Pará (UFPA) Luiz Otávio Mota Pereira diz que o lixão precisa ser fechado com urgência, porque o novo projeto de exploração não possui licenciamento ambiental. Além disso, o local é operado sem técnicas sanitárias e ambientais, contaminando o solo com chorume, chegando ao lençol subterrâneo. O lixão ameaça a qualidade do Rio Guamá, principal manancial para o abastecimento de água da região metropolitana de Belém.

As quase 2 mil toneladas de lixo produzidas diariamente pelas mais de 450 mil residências da capital e de Ananindeua são depositadas a céu aberto. "Estão querendo prolongar por 25 anos um dos maiores crimes ambientais do Brasil", acusa Pereira. A prefeitura, porém, pretende manter o lixão em operação, elevando a cota atual de 20 metros para 30 metros de altura. Os engenheiros do Crea garantem que isso não será possível.

A área está sendo preparada com lama dragada do canal do Tucunduba, que foi descarregada no lixão do Aurá entre janeiro e abril. De acordo com a denúncia, mesmo que fossem somente resíduos domiciliares compactados, não haveria estabilidade para as parcelas de lixo.

Outro grave problema é que o chorume continua penetrando no solo abaixo do lixão. Em 1998, uma tese de doutorado constatou que o chorume fluía para as lagoas localizadas no sul da área, atingindo principalmente os igarapés Santana do Aurá, Jarucá e Santo Antônio. 

    Leia tudo sobre: BelémParálixão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG