Noruega pede a Brasil e Indonésia para manter proteção florestal

Ministro do Meio Ambiente norueguês promete a ambos os países até dois bilhões de dólares em ajuda em troca de diminuição do desmatamento

Reuters |

Reuters

Agência Brasil
Trecho de mata deflorestada na Amazônia: Noruega promete ajuda financeira se desmatamento cair

O ministro do Meio Ambiente da Noruega pediu nesta sexta-feira (24) que o Brasil e a Indonésia evitem um retrocesso nas políticas para proteger as florestas tropicais, dizendo que até dois bilhões de dólares (cerca de quatro bilhões de reais) em ajuda prometida por Oslo dependiam de provas de taxas mais lentas de desmatamento.

A Noruega, rica em petróleo e gás, prometeu mais dinheiro do que qualquer outra nação doadora para retardar a diminuição das florestas tropicais. A Noruega ajuda cerca de 40 nações a proteger as florestas.

O ministro do Meio Ambiente, Baard Vegar Solhjell, cujo país não está cumprindo as metas de cortes nas emissões de gases do efeito estufa, disse que estava acompanhando de perto o debate do Código Florestal no Brasil que poderia frear o que ele chamou de uma "enorme história de sucesso" na desaceleração do desmatamento.

Leia mais:
Infográfico: Debate sobre Código Florestal está longe de ter fim no Congresso
Biodiversidade de florestas intocadas é insubstituível
Brasil perde para outros Brics na hora de proteger suas florestas
Amazônia teve queda de 57% das emissões de carbono, afirma Inpe
Brasil tem o equivalente a duas Franças em áreas degradadas
Desmatamento na Amazônia Legal cai 23% em um ano
Cacau toma lugar do gado no Pará para preservar floresta

Oslo prometeu até um bilhão de dólares cada para o Brasil e a Indonésia, os dois principais beneficiários de uma iniciativa florestal no valor de 3 bilhões de coroas norueguesas (514,750 milhões de dólares) por ano para ajudar a combater o aquecimento global.

"É importante que eles (Brasil) sigam as políticas que signifiquem que eles continuem a redução do desmatamento no futuro", disse ele à Reuters. "Estamos pagando por resultados reais".

A presidente Dilma Rousseff vetou em maio elementos do novo Código Florestal aprovado pelo Congresso que iria relaxar a reserva florestal que os agricultores são obrigados a preservar em suas terras. "Nós não sabemos o que vai acontecer" depois do veto, disse Solhjell.

A Noruega transferiu pouco menos de 100 milhões de dólares para projetos no Brasil, de um total de 425 milhões de dólares reservados para a nação nos anos 2008-11, disse ele. O restante desse total ainda será atribuído a projetos.

Dos até um bilhão de dólares prometidos para o Brasil, até 575 milhões de dólares ainda deverão ser separados. No entanto, um enfraquecimento da proteção florestal significaria um menor pagamento, Solhjell disse.

"Grande passo adiante"
Ele também disse que a Indonésia deu um "grande passo adiante" com uma moratória sobre o desmatamento em 2011 como parte do acordo com a Noruega, apesar das críticas de que a exploração madeireira ilegal continua.

De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, o mundo perdeu um total líquido de 5,2 milhões de hectares de florestas por ano no período 2000-10 -- totalizando uma área do tamanho da Costa Rica -- ante 8,3 milhões por ano na década de 1990.

Taxas menores de desmatamento no Brasil e na Indonésia e plantações florestais na China, Índia e outros países ajudaram a frear as perdas, afirmou a organização. A Noruega diz que 17 por cento das emissões de dióxido de carbono feitas pelo homem são causadas pelo desmatamento.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG