Chevron apela da decisão judicial que suspende suas atividades no Brasil

Petroleira diz que vazamento de novembro na costa do Rio de Janeiro não teve impacto ambiental significativo

AFP | - Atualizada às

AFP

A petroleira norte-americana Chevron apelou à decisão da Justiça brasileira, que ordenou a suspensão das atividades da empresa no país em virtude de um vazamento de petróleo ocorrido em novembro próximo às costas do Rio de Janeiro, informou nesta sexta-feira (17) um porta-voz da empresa em Nova York.

No início do mês, um tribunal brasileiro concedeu às empresas norte-americanas Chevron e Transocean trinta dias para suspender suas atividades.

Leia mais:
Chevron poderia ter evitado vazamento na Bacia de Campos, diz ANP
Chevron é condenada a R$ 38,5 bi por danos ambientais na Amazônia equatoriana
Promotoria focará segurança em caso de vazamento da Chevron
Executivos da Chevron são impedidos de deixar o Brasil

A decisão contra as duas empresas foi adotada após um vazamento de petróleo registrado em novembro no Campo de Frade, na Bacia de Campos (sudeste brasileiro), que provocou a liberação de 3.000 barris de petróleo no oceano Atlântico.

Em março, foi registrado um novo vazamento, de cinco litros, a 3 km da primeira.

A Chevron destacou que após o derrame a empresa suspendeu voluntariamente suas atividades, mas disse que "está preparada de forma ativa para retomá-las", segundo um comunicado enviado por e-mail.

O representante da empresa defendeu que a empresa atuou de forma oportuna e responsável.

"O monitoramento da área do incidente mostra que não houve impacto ambiental na vida marinha ou a saúde humana", afirmou.

O vazamento aconteceu a 370 km ao noroeste do Rio de Janeiro, mas a empresa disse que ele não chegou às costas e que não foram registrados dados de nenhum ferido.

Até o acidente de 2011, a petroleira era responsável por 3,6% da produção de petróleo no Brasil e de 1% da produção de gás natural, segundo dados oficiais.

A Chevron enfrenta várias ações judiciais no Brasil e pedidos de indenizações milionárias, que a empresa rejeita.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG