Pesquisadores afirmam que extração das reservas subterrâneas triplicou nos últimos 50 anos e proporciona cerca da metade da água que se bebe no mundo

AFP

Mulher carrega galão de água para abastecer casa
AFP
Mulher carrega galão de água para abastecer casa

Cerca de 25% dos habitantes da Terra vivem em regiões onde as reservas subterrâneas de água são superexploradas, segundo um estudo publicado na quarta-feira(8) no periódico científico Nature.

"Os países que mais superexploram as reservas de água subterrânea são Estados Unidos, Índia, China, Paquistão, Irã, Arábia Saudita e México, e as maiores populações que sofrem as consequências são da Índia e da China", explicou o hidrologista canadense Tom Gleeson, um dos autores do estudo.

Cerca de 1,7 bilhão de pessoas, ou seja, 25% da população mundial, vive nessas regiões onde a água subterrânea é superexplorada.

Leia mais:
Agricultura usa 92 da água doce do planeta
Rio de 6 mil km é descoberto embaixo do Rio Amazonas
África tem reservas subterrâneas gigantes de água, dizem cientistas
Dia Mundial da Água: “Não há solução única e mágica"

Para entender melhor o fenômeno, este estudo propõe um novo dispositivo batizado de "pegada da água subterrânea", ou seja, a superfície de uma região que depende da extração de água subterrânea. Os pesquisadores a comparam com a superfície das reservas de água subterrânea que alimentam a região.

Os investigadores calcularam que a pegada mundial (ou seja, o uso mundial de água subterrânea) é 3,5 vezes maior que a superfície das reservas subterrâneas.

No entanto, a superexploração só afeta 20% das reservas subterrâneas mundiais.

"Os humanos superexploram a água nas bacias, que são cruciais para a agricultura, principalmente na América do Norte e na Ásia", estimou Gleeson.

Segundo a ONU, a extração das reservas subterrâneas de água se multiplicou por três durante os últimos 50 anos e proporciona cerca da metade da água que se bebe no mundo.

O estudo deseja contribuir para a difusão deste novo instrumento que completaria medidas já existentes, como a pegada de carbono (cálculo da quantidade de gases de efeito estufa que é emitida num território ou por uma atividade) ou a pegada ecológica (cálculo da quantidade de terra e de água utilizada por um indivíduo, uma atividade ou uma população).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.