Inventário Florestal Nacional vai receber R$ 65 milhões do Fundo Amazônia

Aporte financeiro pode fazer deslanchar plano elaborado em 2005 e que ainda não avançou

Agência Estado |

Agência Estado

O plano de criar o Inventário Florestal Nacional - que começou a ser elaborado em 2005, foi anunciado em 2010 pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), mas ainda não avançou - acaba de receber um aporte financeiro que poderá fazê-lo, enfim, deslanchar, a partir de 2013.

O Serviço Florestal Brasileiro (SFB), órgão do MMA responsável pelo levantamento, receberá R$ 65 milhões do Fundo Amazônia - administrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e que conta com doações de outros países, como a Noruega.

Leia mais:
Pesquisadora defende necessidade de contagem de espécies
Falta lei para serviços ambientais no Brasil, diz estudo
Fundo florestal investirá até R$ 2 milhões em fomento na Amazônia
Cacau toma lugar do gado no Pará para preservar floresta

O objetivo do inventário é conhecer todas as florestas brasileiras em qualidade e quantidade, com base na coleta de dados diretamente em campo. O dinheiro do fundo será aplicado somente para o levantamento da heterogênea vegetação do bioma Amazônia - lá serão recolhidas informações em cerca de 7 mil pontos amostrais. Mas a expectativa é que, desse modo, outros recursos possam ser direcionados para o resto do País. A previsão é de que os trabalhos em campo comecem em meados de 2013.

O único inventário de florestas já feito no Brasil é da década de 80, e o principal objetivo na ocasião era conhecer os estoques de madeira das florestas naturais e plantadas. A intenção agora é formar um panorama detalhado do que hoje é visto apenas como cobertura florestal.

De acordo com o SFB, serão identificadas as espécies arbóreas, o estoque de biomassa e carbono, a qualidade dos solos, o nível de degradação das florestas e a saúde das árvores. Esses dados poderão mostrar, por exemplo, as características da vegetação em áreas que foram desmatadas no passado, mas que agora encontram-se em processo de regeneração. O que pode servir, depois, para a formulação e a implementação de políticas públicas. 

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG