Desmatamento na Amazônia Legal cai 23% em um ano

Imagens de satélite mostram que área de floresta derrubada no período é maior que o tamanho da cidade de São Paulo

Agência Estado |

Agência Estado

cortesia de Alexander Lee
Queimada na floresta amazônica

O desmatamento na Amazônia Legal caiu 23% entre agosto de 2011 e julho de 2012, de acordo com dados do Deter, o sistema rápido de detecção por satélite do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). As imagens de satélite mostram que foram derrubados 2 mil quilômetros quadrados de floresta, uma área maior que a da cidade de São Paulo (1.530 km 2 ).

Entre os nove Estados da região, apenas Roraima aparece com um crescimento do desmatamento, e significativo: 218%. O Amapá, que tem o menor grau, se manteve estável, com um quilômetro quadrado de desflorestamento. O Mato Grosso se manteve como o Estado com maior grau de desmatamento e teve uma redução muito pequena, de apenas 2,7%. O Estado, por mais um ano, desmatou quase mil quilômetros quadrados de floresta, caindo apenas de 978 para 952 quilômetros quadrados. A maior queda aconteceu no Maranhão, onde o desmatamento caiu para um terço do registrado no período anterior, chegando a 32 quilômetros quadrados. Durante os últimos 12 meses, houve queda em nove deles, na comparação com os mesmos meses do ano passado, chegando a 66% em junho deste ano.

Leia mais:
Ministra afirma que houve nova redução de desmatamento na Amazônia
Desmatamento da Amazônia é o menor da história, diz ministra
Desaparecimento de espécies na Amazônia brasileira ainda está por vir
Biodiversidade cai mesmo em áreas de proteção de florestas tropicais
Mudanças climáticas e desmatamento já alteram Amazônia

Na terça-feira (31) a ministra do meio ambiente, Izabella Teixeira havia antecipado que o desmatamento na Amazônia havia caído mais uma vez. Mesmo com o balanço favorável, a ministra ressaltou que ainda havia muito para melhorar nas ações de controle, principalmente em relação ao abate de árvores concentrado em áreas inferiores a 25 hectares.

    Leia tudo sobre: ECONOMICOECONOMIA

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG