Satélites registram degelo recorde na Groenlândia

Agência espacial americana registrou pela primeira vez derretimento  de 97% do gelo da região em julho, um evento que surpreendeu os cientistas

AFP |

AFP

Nasa
Imagens de satélites mostram estado do gelo na Groenlândia em 8/07 (esquerda) e 12/07 (direita): derretimento acelerado

A cobertura de gelo da superfície da Groenlândia derreteu este mês em uma área superior à detectada em mais de 30 anos de observações por satélite, informou a Nasa nesta terça-feira (24).

Segundo medições de três satélites diferentes analisadas por cientistas acadêmicos e da agência espacial americana, calcula-se que 97% da cobertura de gelo derreteram em algum ponto em meados de julho, reportou a agência em um comunicado.

"Isto foi tão extraordinário que a princípio questionei o resultado: seria real ou teria sido um erro nos dados?", disse Son Nghiem, da Nasa.

O especialista lembrou ter notado que grande parte da superfície congelada da Groenlândia parecia ter derretido em 12 de julho, ao analisar dados do satélite Oceansat-2, da Organização de Pesquisas Espaciais Indiana.

Leia mais:
Groenlândia é mais vulnerável ao aquecimento do que se pensava
Nasa monitora desprendimento de iceberg gigante na Antártida
Ano de 2010 teve recorde de derretimento na Groenlândia
Novo estudo confirma aceleração do derretimento do Ártico 

Resultados de outros satélites confirmaram estas descobertas. Mapas do degelo demonstraram que em 8 de julho cerca de 40% da superfície congelada tinham derretido, uma área que aumentou para 97% quatro dias depois.

A notícia é divulgada dias depois de imagens de satélite da Nasa mostrarem que um enorme iceberg se soltou de uma geleira na Groenlândia .

Segundo a Nasa, no verão, cerca da metade da cobertura de gelo da Groenlândia derrete naturalmente. Normalmente, a maior parte desse gelo derretido volta a congelar rapidamente em altitudes mais elevadas, enquanto em áreas costeiras parte dele é retida pela cobertura de gelo, enquanto o resto vai para o oceano.

"Mas este ano, a extensão do derretimento em ou perto da superfície aumentou dramaticamente", acrescentou a agência.

Cientistas ainda precisam determinar se o degelo, que coincidiu com uma pouco habitual forte onda de ar quente sobre a Groenlândia, contribuirá com a elevação no nível do mar.

    Leia tudo sobre: aquecimento globalgeleiragroenlândianasa

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG