Avião solar retorna à Suíça e completa 1º voo intercontinental

Solar Impulse aterrissou nesta tarde na Suíça após voar seis mil quilômetros entre o país e o Marrocos

EFE |

EFE

AFP
Solar Impulse viaja de Toulouse a Payerne, na Suíça, na fase final de seu voo intercontinental

O avião Solar Impulse completou nesta terça-feira o primeiro voo intercontinental propulsado unicamente pela energia que capta do sol e armazena em suas asas.

O protótipo capaz de voar sem combustível aterrissou às 20h30 locais (15h30 de Brasília) no aeroporto de Payerne, uma cidade localizada no noroeste da Suíça onde está seu hangar, após completar um voo de seis mil quilômetros que o levou até Ouarzazate, no centro do Marrocos , com escalas em Madri e Toulouse (França).

O psiquiatra e aventureiro suíço Bernard Piccard e o ex-piloto militar André Borschberg, impulsores deste projeto, quiseram demonstrar o enorme potencial das fontes de energias renováveis e sua confiabilidade.

Veja no infográfico do iG quais são as fontes alternativas de energia

Em Ouarzazate, a tripulação participou de uma série de atividades relacionadas com a promoção das energias renováveis a convite da Agência Marroquina de Energia Solar.

Ao aterrissar novamente na Suíça, o Impulse completou a viagem sem utilizar nenhum tipo de combustível. Além disso, foi a conclusão de um périplo que pôs a toda prova mais que qualquer outro a capacidade técnica da aeronave de enfrentar condições meteorológicas e atmosféricas difíceis.

Veja o vídeo:  Avião solar realiza primeiro voo internacional

Esta foi uma das razões pelas quais a viagem de ida e volta do Marrocos foi realizada em oito períodos, com uma média de 750 quilômetros de voo contínuo. A parte mais difícil da travessia foi aterrissar em seu destino final, já que Ouarzazate, a 1.151 metros sobre o nível do mar, está localizada na cadeia montanhosa do Atlas, uma zona de frequentes tempestades elétricas, fortes ventos contrários, turbulências e correntes térmicas.

O Impulse foi projetado inicialmente para provar sua capacidade de voar de dia e de noite, um desafio que superou em 2010, com um voo contínuo de pouco mais de 26 horas . "Fomos além desse propósito para provar que sua tecnologia é confiável e a eficiência de seu consumo de energia", explicou a equipe do projeto, que considera a conclusão desta viagem ao norte da África como um teste bem-sucedido com vistas a uma volta ao mundo prevista para 2014.

No entanto, essa viagem ao redor do planeta não será realizada com o atual protótipo, mas com outro que atualmente está sendo construído na Suíça com a participação de várias empresas que estão inovando e apresentando novas tecnologias exclusivas. 

    Leia tudo sobre: aviaçãoavião solarenergias alternativas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG