ONG francesa pede "asilo político" para patos franceses na Califórnia

Integrantes de uma associação de defesa do direito dos animais  fizeram o pedido após o Estado americano proibir a venda de foie gras

EFE |

EFE

Reprodução
Ong L214 brinda com vinho californiano decisão sobre a proibição da venda de foie gras

Uma associação francesa de defesa dos direitos dos animais solicitou nesta quinta-feira (12) à embaixada americana em Paris "asilo político" para os patos do país, depois que o estado da Califórnia proibiu a venda do foie gras.

A manifestação impulsionada pela ONG L214 reuniu dez pessoas, uma delas fantasiada de pato, para parabenizar o estado pelo veto, que entrou em vigor em 1º de julho, aplicação prática de uma lei aprovada em 2004.

"Não é o primeiro país que aprova essa lei, mas não é sempre que se pode elogiar um país por um avanço", disse Brigitte Gothière, uma das porta-vozes da organização, justificando o ato.

Leia mais:
Pato é ferido na cabeça por dardo de 13 centímetros e sobrevive
Ativistas filmam nascimento de patos selvagens mais raros do mundo
Brigitte Bardot pede que Dilma acabe com "genocídio de burros"

A ONG, que foi impedida de entrar na embaixada e de se reunir com o embaixador, calcula que na França sejam sacrificados, a cada ano, 70 milhões de patos para a fabricação da famosa iguaria, dos quais 36 milhões são fêmeas, que acabam sendo "descartadas" porque seu fígado é menos apto.

As autoridades francesas, por outro lado, rejeitaram a proibição californiana, e a ONG L214 respondeu recomendando que busquem alternativas para o "gavage", termo usado para denominar a engorda muito intensificada das aves por dia, considerado um mau-trato ao animal.

Em 4 de julho, o secretário de Estado de Agroalimentação francês, Guillaume Garot, manifestou interesse em se reunir em breve com o embaixador americano em Paris, para analisar o veto ao foie gras, "um produto de grande importância para as exportações agrícolas".

Nos últimos dias, Garot se encontrou com os produtores, parlamentares e presidentes dos departamentos afetados pela proibição, para determinar estratégias que incluem o incentivo às exportações e o "restabelecimento da verdade sobre os benefícios" do produto.

    Leia tudo sobre: animaisdireito dos animais

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG