Aquecimento na Antártida será menos intenso

Cientista franceses afirmam que aumento das nevascas vai reduzir aquecimento no continente

AFP | - Atualizada às

AFP

Getty Images
As previsões de aquecimento teriam que ser revisadas com baixa de 0,5°C para o centro do continente austral

O aquecimento climático na Antártica será "menos pronunciado" que o previsto graças ao aumento das nevascas, anunciaram cientistas franceses.

"As previsões de aquecimento teriam que ser revisadas com baixa de 0,5°C para o centro do continente austral", afirma um comunicado do CNRS (Centro Nacional de Pesquisas Científicas), com base em estudos do laboratório de geofísica do meio ambiente de Grenoble (França) e da Universidade de Laval (Canadá).

O aumento das temperaturas na Antártica implica um maior número de precipitações e, portanto, uma neve mais "branca" que reduzirá a magnitude da mudança climática no centro do continente, segundo os cientistas.

Leia mais:
Missão na Antártida busca pistas sobre mudanças climática s
Identificadas 173 espécies comuns a Brasil e Antártida
Antártida já foi paraíso tropical, diz cientista

No caso da temperatura do continente subir 3°C, o aumento das precipitações de neve aumentaria suficientemente o albedo (radiação que reflete qualquer superfície).

Um albedo alto esfria o planeta porque a luz ou radiação absorvida e aproveitada é mínima. O albedo mais elevado é o da neve recente.

No futuro, sob o efeito do aquecimento global, "é possível esperar um aumento das precipitações de neve na Antártica", afirma o CNRS.

Os estudos, publicados na revista Nature, "permitem avaliar melhor o papel da neve nos modelos utilizados para prever a evolução do clima mundial", completa o CNRS.

    Leia tudo sobre: antártidaaquecimentoaquecimento global

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG