Pesquisadores britânicos criam 'Facebook' para aves

Grupo analisou interações sociais entre membros de uma comunidade de chapins-reais em Oxford, na Grã-Bretanha

BBC |

BBC

selo

Thor Veen
Pesquisadores experimentaram 'Facebook animal' na ave chapim-real

Pesquisadores da Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha, criaram um novo método para analisar os vínculos entre animais por meio de uma espécie de Facebook para estas espécies.

"No caso dos humanos, o Facebook registra quem são nossos amigos, por onde passamos e o que dividimos com outros", afirmou Ioannis Psorakis, do Departamento de Engenharia da Universidade de Oxford, um dos autores do estudo.

"O que demonstramos agora é que podemos analisar dados sobre animais individuais para construir um 'Facebook para animais', revelando quem está associado a quem, quem são os membros de um mesmo grupo e quais aves vão com frequência a certos eventos ou reuniões", afirmou.

As associações entre animais podem ter consequências importantes para a sobrevivência e influenciar, por exemplo, a habilidade de encontrar um par ou alimentos e também a transmissão de doenças.

Com esta espécie de rede social para aves, os pesquisadores conseguem registrar, por exemplo, uma grande quantidade de dados sobre horas e locais em que certas aves foram observadas.

Atividade social
A pesquisa foi publicada no periódico Journal of the Royal Society Interface.
Os cientistas testaram o método de análise em uma comunidade da ave chapim-real ( Parus major ), conhecida por sua capacidade de aprendizado.

O novo método de análise de informação pode identificar de forma automática períodos de atividade social intensa em meio a um grande número de observações.

Os cientistas testaram o sistema com cerca de um milhão de registros sobre o chapim-real. Os dados foram coletados a partir de dispositivos colocados em milhares de aves e sensores que registraram a presença de cada pássaro em mais de 60 pontos com alimentos para estas aves espalhados pelo bosque Wytham, em Oxford.

Leia mais sobre o comportamento de pássaros:
Espécie de passarinho cria ilusão de ótica para atrair fêmea
Pássaros se travestem de fêmeas para aumentar chances de copular
Medo faz com que pássaros tenham menos filhotes
Entre pássaros, trair o parceiro pode ser vantajoso
Corvos conseguem se lembrar dos velhos amigos, e dos inimigos também
Aquecimento global torna aves mais promíscuas

"O novo método permite descobrir os laços sociais entre as aves. O sistema identifica quais indivíduos estiveram em um mesmo lugar e decifra se as visitas foram suficientemente próximas (umas das outras) para considerá-los como amigos", disse à BBC outro autor do estudo, Iead Rezek, da Unidade de Análise de Padrões do Departamento de Engenharia da Universidade de Oxford.


"Ao examinar estas redes, descobrimos que coincidiam com observações de campo feitas por ornitólogos. Descobrimos, por exemplo, que pares de indivíduos que nossa análise identificou como associados estavam efetivamente vinculados como casais", disse.

Os primeiros resultados da análise sugerem que as aves não participam de bandos formados ao acaso, mas interagem principalmente com outros indivíduos em comunidades com laços estreitos.

O novo método também poderia ajudar a compreender como se espalha uma informação entre populações de animais.

"O trabalho abre o caminho para novas investigações sobre como se comunica a informação em populações, as origens genéticas da socialização e a estrutura dos grupos. Também pode ser importante para identificar a forma que uma doença se espalha (entre os indivíduos)", disse Rezek à BBC.

    Leia tudo sobre: avespássaroscomportamento animal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG