Segundo a fonte, os países mais ricos mostraram má-vontade e deram mau exemplo nas negociações da Rio+20

Reuters

Os países ricos mostraram má-vontade e deram um mau exemplo nas negociações da Rio+20 , disse à Reuters nesta quinta-feira uma alta fonte da delegação brasileira que participou das discussões sobre o texto final da Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável.

Veja o especial sobre a Rio+20

"Para entender o interesse deles, basta ver que na Eco-92 todos os chefes de Estado do G7 estavam aqui. Agora, só tem um", disse a fonte, sob condição de anonimato, lembrando a presença de todos os principais líderes mundiais na reunião realizada há 20 anos na cidade.

O documento aprovado nas negociações prévias à reunião de cúpula da Rio+20, que foram lideradas pelo Brasil, recebeu críticas de ambientalistas e de delegações internacionais, principalmente da Europa, que apontaram uma falta de ambição no texto.

A delegação brasileira considera, no entanto, que as críticas não podem ser consideradas sem levar em conta que alguns desses mesmos países se recusaram a disponibilizar aportes para programas de desenvolvimento sustentável, disse a fonte.

Os países ricos, que atribuíram à crise econômica a impossibilidade de se comprometerem com recursos para o meio ambiente, "estão jogando para a galera e vendendo um discurso para opinião pública, mas nos bastidores das negociações têm sido tímidos nas propostas e negligentes em alguns casos", disse a fonte.

"Tem gente falando uma coisa e fazendo outra, literalmente", acrescentou.

Críticas do presidente francês

O presidente francês, François Hollande, o único líder das nações do G7 presente à Rio+20-- também criticou, na quarta-feira, a falta de ambição do documento.

A fonte brasileira rebateu com firmeza as críticas de Hollande. "Participei de reuniões em que ele estava e, em nenhum momento, ele falou em colocar um centavo para a sustentabilidade", disse.

Apesar das críticas ao texto final da Rio+20, a fonte sinalizou pontos que considera avanços no documento, como a inclusão a partir de 2015 de medidas de sustentabilidade e no cálculo do PIB dos países o compromisso de erradicação da pobreza e iniciativas de mudança no padrão de consumo mundial.

"Isso é uma vitória. Conseguimos colocar o dedo na ferida. Já imaginou mudar o padrão de consumo da classe média norte-americana?", disse.

"Dentro do que era possível, tivemos avanços. Os meios de discussão da ONU são muito complexos, difíceis e exaustivos. Chegamos aqui (à Rio+20), depois de dois anos de discussão, com apenas 37 por cento do texto aprovado... um sinal de que muita gente não queria muita coisa".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.