Percurso até local da Rio+20 revela problemas ambientais do Rio

Do caminho do Aeroporto Internacional Antonio Carlos Jobim (Galeão), no Rio, até o Riocentro, na Barra, os participantes da Rio+20 têm uma amostra dos problemas ambientais que persistem no Rio

BBC | - Atualizada às

BBC

Divulgação/Angelo Antonio Duarte
Problemas ambientais no percurso para a Rio+20

Já no início do percurso o visitante vê a Baía de Guanabara, que tem graves índices de poluição por esgoto e lixo, e as favelas que margeiam a Linha Vermelha, compondo os complexos da Maré e do Alemão, com grande parte dos domicílios sem esgotamento sanitário adequado.

Veja a cobertura completa da Rio+20

As deficiências estruturais da cidade se evidenciam pelo caminho na ocupação urbana irregular; nos engarrafamentos que refletem a falta de um transporte público de qualidade, priorizando o automóvel; e nas lagoas e rios por onde se passa, todos comprometidos por poluição.

O ambientalista Sérgio Ricardo define o percurso como um "tour tóxico" a caminho da Conferência da ONU para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20 .

"O Galeão é o portal de entrada à cidade, mas ao lado do aeroporto você já tem vários passivos ambientais", afirma ele, membro-fundador da Rede Brasileira de Justiça Ambiental.

"Se a Rio+20 for um fracasso do ponto de vista diplomático e político, restará aos chefes de estado fazerem esse turismo tóxico que mostra exatamente os problemas do Rio", diz.


    Leia tudo sobre: Rio20Rio+20

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG