Ex-secretário da ONU disse que falta ambição na negociação da Rio+20

Yvo de Boer disse que texto proposto neste sábado pelo Brasil "lembra muito" a maioria dos acordos existentes e não é inovador em nada

EFE |

EFE

O ex-secretário executivo da Convenção das Nações Unidas para Mudança Climática, Yvo de Boer, afirmou neste domingo (17) que o documento negociado na Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável Rio+20 carece de ambição.

De Boer assegurou que leu o texto proposto neste sábado pelo Brasil para tentar destravar as negociações, das quais participam cerca de 180 países, e disse que "lembra muito" a maioria dos acordos existentes, e por isso não é nada inovador.

Leia também:
Para Zukang, negociações da Rio+20 estão caminhando bem
Documento do Brasil prioriza erradicação da pobreza, como iG adiantou

"O texto tristemente carece do desejo de introduzir no processo negociador uma mudança radical que sirva para lidar com as tendências que enfrentamos como a falta de alimentos e de água e o aumento dos preços de energia", afirmou De Boer em uma conferência no Rio de Janeiro paralela à Rio+20.

O objetivo do governo brasileiro é concluir as negociações em torno deste texto amanhã, na antevéspera do início da cúpula, que reunirá uma centena de chefes de Estado e de governo.

O ex-representante da ONU sustentou que a humanidade não vai conseguir enfrentar os desafios da mudança climática "com declarações de boa fé".

Nesse sentido assinalou que na atualidade se vive uma situação "muito mais perigosa" que em 1992, ano no qual se organizou a Cúpula da Terra, e sustentou que na Rio+20 há "muito mais para lamentar que para comemorar".

No mesmo evento, a atual secretária executiva da Convenção das Nações Unidas para Mudança Climática, a costarriquenha Christiana Figueres, convidou todos a promoverem "uma revolução" de todo o "sistema econômico" para transformar a conservação do meio ambiente em seu foco.

"A mudança climática é o desafio mais difícil que a humanidade enfrentou, não podemos deixar a solução exclusivamente aos governos. Se depositarmos toda a responsabilidade neles, não solucionaremos o problema a tempo", afirmou.

Esta conferência serviu de plataforma para a apresentação de uma série de recomendações aos governantes que participarão da Rio+20 por parte de um grupo de cientistas, acadêmicos, especialistas em mudança climática e políticos internacionais, entre eles De Boer.

O grupo, chamado "The Rio Climate Challenge", sugeriu a necessidade de redefinir o conceito de Produto Interno Bruto (PIB) para que inclua variáveis de desenvolvimento sustentável.

Veja a cobertura completa sobre a conferência Rio+20 , que acontece em junho

Também propôs o lançamento de um "New Deal verde", uma campanha de investimento em massa em energias limpas e recuperação do meio ambiente por parte dos governos e organismos multilaterais.

Outra recomendação do grupo pede a eliminação dos subsídios aos combustíveis fósseis e a atribuição de um valor econômico aos ativos ambientais.

Esses especialistas reivindicam ainda a reforma do sistema financeiro internacional para permitir que os projetos com poucas emissões sejam rentáveis economicamente e se tornem atrativos aos investimentos.

    Leia tudo sobre: rio20rio+20

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG