Greenpeace quer desmatar 'zero' e revolução energética

Organização não governamental vai defender as duas bandeiras no Rio de Janeiro durante a Rio+20

Agência Estado |

Agência Estado

AFP
Navio Rainbow Warrior do Greenpeace chega ao Rio de Janeiro

O Greenpeace vai defender duas bandeiras principais durante a Rio+20 : a campanha pelo "desmatamento zero" das florestas brasileiras e a chamada revolução energética, troca dos combustíveis fósseis (carvão e petróleo) por fontes de energia renováveis. Os ativistas, no entanto, estão pouco confiantes em mudanças significativas, devido à ausência de líderes importantes, como o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que enviará como representante a secretária de Estado, Hillary Clinton.

Veja a cobertura completa da Rio+20

"Passou a primeira década do século e as principais fontes de energia da humanidade continuam sendo os fósseis. Precisamos, e rápido, de uma revolução energética", disse o coordenador do Greenpeace para a Rio+20, Nilo D'Ávila. "Não precisamos esperar o petróleo ou o carvão acabarem para procurarmos novas fontes. A idade da pedra não acabou por falta de pedra."

Leia mais sobre o Greenpeace na Rio+20:
Navio do Greenpeace está no Rio para Cúpula dos Povos
"Os brasileiros não querem o Código Florestal", diz diretor do Greenpeace

Até o fim da conferência, a organização vai focar as atividades na Cúpula dos Povos , no Aterro do Flamengo, evento que se contrapõe às reuniões oficiais de autoridades no Riocentro, na Barra da Tijuca.

Leia também:
"Temos de ficar acima de interesses de curto prazo", diz Zukang, da Rio+20
Contratempos marcam 1º dia da Rio+20 no Parque dos Atletas
União Europeia espera que Rio+20 gere resultados ambiciosos e concretos
"Você poderia viver sem esse parágrafo?"
Dilma defende crescimento com respeito ao meio ambiente

Para o Greenpeace, a única mudança concreta que pode surgir durante a conferência é um acordo internacional para lidar com as áreas protegidas em águas internacionais. "Tudo pode acontecer, inclusive nada", disse D'Ávila. "Inegavelmente, a Rio+20 está esvaziada dos líderes que poderiam `bater o pé'. A gente não salva o planeta se China e EUA, principalmente, não se moverem. O protocolo de Kyoto mostra isso."

    Leia tudo sobre: rio20greenpeacedesmatamento

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG