Dilma defende crescimento com respeito ao meio ambiente

Presidenta inaugurou nesta quarta-feira o Pavilhão Brasil, espaço que  vai apresentar as políticas públicas brasileiras voltadas para sustentabilidade

Anderson Dezan , iG Rio de Janeiro |

Futura Press
Dilma esteve do evento com o governador Sérgio Cabral, a ministra Gleisi Hoffmann e o prefeito Eduardo Paes



A presidenta Dilma Rousseff defendeu nesta quarta-feira (13) a conciliação do crescimento econômico com a inclusão social e a preservação do meio ambiente. A posição foi apresentada no Parque dos Atletas, na zona oeste do Rio de Janeiro, durante a inauguração do Pavilhão Brasil - espaço que vai apresentar durante a conferência Rio+20  as políticas públicas brasileiras voltadas para a sustentabilidade.

“Meio ambiente não é um adereço. O meio ambiente faz parte das visões de incluir e de crescer porque em todas elas nós queremos que esteja integrado o sentido de preservar e conservar”, disse Dilma.

Durante seu discurso, que durou cerca de quinze minutos, a presidenta exaltou a honra de receber um evento da importância da Rio+20 e citou alguns avanços na política ambiental brasileira. Entre eles, a queda de 67% no desmatamento desde 2004 , o fato de o País ter atingido o menor índice de desmatamento este ano e ter 45% de sua energia oriunda de fontes renováveis. Dilma abordou ainda a agricultura sustentável praticada no Brasil com a utilização de técnicas como rotação agrícola e concentração de nitrogênio no solo.

Leia mais:
Rio+20 começa hoje com falta de consenso
Especialistas apontam o que deve ser esperado da Rio+20
Secretário-geral da Rio+20 afirma que será "muito difícil" fechar um acordo
Crise europeia pode afetar projetos da Rio+20, diz Izabella Teixeira
Alternativa à Rio+20, Cúpula dos Povos já aquece os motores

EFE
Solenidade contou com apresentação de dança

Segundo Dilma, o País mostrará como cumpre compromissos de sustentabilidade assumidos de maneira voluntária. Para ela, o Brasil quer reafirmar seu compromisso de redução perene da desigualdade em um momento em que países avançados na inclusão social sofrem um duro revés, em referência à crise na Europa.

"Sobretudo nas crises é preciso ter consciência de que não há crescimento possível feito na base de ajustes que só prejudicam pessoas, o meio ambiente e a biodiversidade. Esse tipo de ajuste não traz desenvolvimento econômico", disse Dilma, em tom de crítica ao modelo que vem sendo adotado para a solução da crise europeia.

Pavilhão

A área do Parque dos Atletas, ao lado do Riocentro, será dedicada a exposições governamentais e intergovernamentais. Lá também serão realizados seminários, palestras e mesas-redondas, além de demonstrações de inovação e gestão de empresas no campo da sustentabilidade.

Veja as imagens da Rio+20

Para o secretário-geral da conferência, Sha Zhukang, as decisões da Rio+20 não podem ser boas apenas no papel e têm de ser capazes de produzir resultados reais que coloquem o planeta no rumo do desenvolvimento sustentável. "Nossos compromissos definem quem somos, são um reflexo do nosso caráter", disse ele, na abertura da terceira e última rodada preparatória de negociações sobre o documento final de decisões da Rio+20. "Precisamos de resultados que sejam ambiciosos e históricos.

Veja a cobertura completa da Rio+20

Zhukang pediu cooperação e flexibilidade de todos os setores - governos, sociedade civil e empresas - na busca do desenvolvimento sustentável. "Os governos carregam a responsabilidade principal, mas não podem fazer tudo sozinhos. Precisamos de uma parceria compacta", disse o secretário-geral. 

(com informações da Agência Estado e Reuters) 

    Leia tudo sobre: rio+20rio20dilma rousseff

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG