Jovens debatem temas para elaborar carta para chefes de Estado na Rio+20

Antenados e conscientes, jovens que participam da Youth Blast contam ao iG o que gostariam de incluir no documento. O que você iria sugerir? Opine

Anderson Dezan, iG Rio de Janeiro

Anderson Dezan
A conferência Youth Blast contou com a participação até do Capitão Planeta!
O que você iria sugerir a um chefe de Estado caso tivesse oportunidade de enviar-lhe uma carta? É baseada nessa proposta que foi montada a conferência Youth Blast , um encontro para dar voz aos jovens em meio aos debates ambientais da Rio+20 . O evento integra a agenda oficial de atividades que antecedem a Conferência Sobre Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas e termina nesta terça-feira (12) na capital fluminense.

Confira o especial do iG sobre a conferência Rio+20

Anderson Dezan
João Sales e Tatiane dos Anjos
No encontro, realizado no Centro de Convenções SulAmérica, no centro do Rio, os participantes trocam experiências, participam de oficinas e integram debates sobre temas diversos, entre eles a geração de empregos para a juventude, sustentabilidade e direito à cidadania. Ao final, será elaborado um documento que vai ser lido para os chefes de Estado durante a reunião de cúpula da Rio+20, entre os dias 20 e 22.

João Sales, de 17 anos, e Tatiane dos Anjos, de 23, integram uma organização não governamental – MJPOP - voltada para políticas públicas destinadas a jovens de comunidades carentes de Salvador (BA). Os dois ficaram sabendo da Youth Blast através das redes sociais e vieram da capital baiana para participar do evento.

“Vim conhecer pessoas, debater ideias e mostrar preocupação com o futuro da minha geração e das próximas também”, disse ele. “Espero que a opinião dos jovens chegue aos chefes de estado para que ela também tenha influência na tomada de decisões”.

Para Tatiane, é importante que esteja na carta que vai ser elaborada a sugestão de criação do Fórum de Juventude para a Organização das Nações Unidas (ONU). “Dessa forma, estaremos falando e, principalmente, sendo ouvidos. Isso é importante”, avaliou.

Anderson Dezan
Bruna Leonardelli (centro) ao lado de amigas na Youth Blast
Natural de Caxias do Sul (RS), Bruna Leonardelli, de 17 anos, participa de uma associação mundial de mulheres bandeirantes e escoteiras (WAGGGS) e foi selecionada para vir ao Rio para participar dos encontros ambientais que ocorrem na cidade. Segundo ela, um evento como a Youth Blast é importante porque gera uma pressão junto aos governantes.

“Os jovens têm visões inovadoras e nem sempre são ouvidos. A carta que será montada vai ser lida para os chefes de estado e terá visibilidade. Trata-se de um compromisso assumido. Espero que os debates sobre a usina de Belo Monte e a economia verde, que não é verde, sejam incluídos no documento”, disse a jovem, que realiza um trabalho em comunidades carentes de Caxias do Sul, recolhendo óleo de cozinha inutilizado para ser transformado em sabão.

Participação de todos

Anderson Dezan
Lucas McDonnell
Lucas McDonnell, de 10 anos, veio de São Paulo com a mãe para o evento no Rio. Impressionado com a participação do personagem Capitão Planeta na conferência, o menino mostrou ter consciência ambiental. “Queria sugerir aos chefes de Estado que aumentassem o número de carros elétricos nas ruas. Assim diminuiria o consumo de gasolina”, disse.

De acordo com Sandra Mara Costa, mãe do menino, o filho já havia pedido para vir ao Rio passear, mas ela queria que a viagem tivesse um sentido a mais. “Quando soube da conferência para jovens, fiz a proposta de juntar as duas coisas e ele aceitou na hora. Daqui a 20 anos verei se essa atitude foi significativa para ele ou não. Espero que sim”, avalia.

Em sua casa, o meio ambiente é abordado de maneira simples no dia a dia para aproximar o filho do tema. “Conversamos sobre descarte do lixo, economia de energia e consumo consciente. O que precisamos de fato e necessitamos para sermos felizes? Precisamos de muitos brinquedos, por exemplo? É uma mudança de comportamento. São atitudes pequenas, mas que fazem sentido para uma criança”.

O peruano Christian Herrera, de 23 anos, participa da Time to Act Foundation e foi convidado para dar uma palestra na Youth Blast. Ele integra um projeto de desenvolvimento de produtos orgânicos em comunidades indígenas peruanas para melhorar a qualidade de vida delas, gerar renda e eliminar a exploração da mão de obra infantil.

Anderson Dezan
A ex-ministra Marina Silva ao lado de Bruna Leonardelli e suas amigas na Youth Blast
“Gostaria que fossem incluídos na carta que vai ser elaborada temas como o desenvolvimento social e a responsabilidade das corporações nas atividades exploratórias, como pesca e mineração. Os jovens não participam dos debates principais da Rio +20, por isso a importância desse evento. Aqui estão futuros governantes”, opinou.

A ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, também participou da conferência. Para ela, eventos paralelos a Rio+20 são válidos para debater temas que não serão colocados na pauta do evento principal. A ex-senadora acrescentou que a inclusão da expectativa dos jovens no calendário de encontros mantém o patamar de cobrança em um patamar elevado.

“Vinte anos após a Rio 92, muitos acordos não foram cumpridos. Precisamos de desenvolvimento social, mas também de respostas políticas firmes para temas como desertificação e biodiversidade e não ficar discutindo a cor da economia”, criticou, referindo-se a chamada economia verde.

    Leia tudo sobre: rio20rio+20youth blastmeio ambiente

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG