Aterro recebe estruturas da Cúpula dos Povos no Rio

Evento paralelo à Rio+20 começou a ser montado com duas semanas de atraso

Agência Estado |

Agência Estado

selo

AE
Montagem da tenda onde acontecerá a Cúpula dos Povos, evento paralelo à Rio+20, no Aterro do Flamengo

Após duas semanas de atraso, a Cúpula dos Povos começou a instalação das estruturas no Parque do Aterro do Flamengo, na zona sul do Rio. Organizado pela sociedade civil em paralelo à programação oficial da Rio+20 , o evento deve reunir 30 mil pessoas entre os dias 15 e 23 de junho. No total, serão mais de 1.200 atividades, distribuídas em 60 tendas e arenas montadas no parque, que é tombado pelo Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) desde a década de 1960.

Acompanhe a cobertura completa da Rio+20

A demora para o início das obras, que exigiu mudanças no projeto original da Cúpula, foi causada pelas negociações para a liberação das licenças para montagem. A Prefeitura do Rio e o Iphan solicitaram que as tendas não ocupassem áreas de jardins para preservar o paisagismo projetado por Burle Marx. A área do Monumento aos Pracinhas também não poderá ser utilizada pelo evento, pois será destinada a um posto avançado do comando de segurança da conferência.

Veja a agenda dos eventos oficiais e paralelos à conferência

Além das tendas e plenárias, também serão montadas lojas de conveniência, estandes de ONGs parceiras e estruturas de alimentação e tratamento de lixo e cerca de 400 sanitários químicos. Apenas um dos espaços, com capacidade para 700 pessoas, terá bases de bambu e lona de algodão. A proposta original era de que todos os espaços contassem com a técnica chamada de bioconstrução. A expectativa é de que toda a estrutura fique pronta até o dia 14.

Leia também:
Cúpula dos Povos vai boicotar “Diálogos” da Rio+20
Faltará alimento 'ecológico' na Cúpula dos Povos
ONGs acreditam ter mais poder na Rio+20 do que há 20 anos

Para evitar danos, os participantes vão receber um manual com orientações sobre a conduta no parque. A Cúpula também contará com um sistema próprio de coleta de lixo, organizado pelo Movimento Nacional dos Catadores de Lixo. Serão 50 catadores para fazer a triagem e prensa do material coletado para reciclagem. O processo poderá ser acompanhado pelo público.

O parque recebe, em média, 80 mil visitantes nos finais de semana. Segundo os organizadores da Cúpula, apesar da capacidade do parque, o formato do evento, com atividades simultâneas em diferentes áreas, pode causar impactos no Aterro. Carlos Painel, um dos organizadores, garantiu que a Cúpula se compromete a recuperar os danos causados no parque. "Sinceramente, não estou preocupado. Somos um povo ordeiro, não vamos fazer festa. Vamos discutir o futuro da humanidade", afirmou.

De acordo com o secretário municipal de conservação, Jorge Osório, após o evento, a área deve passar por uma revitalização. "Temos um levantamento das necessidades do parque, mas não faria sentido reformar antes da Cúpula. A prefeitura discutiu com o governo federal um aporte de recursos, mas ainda não foi fechado".

    Leia tudo sobre: rio20rio+20cúpula dos povosconferência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG