Dois militantes de Greenpeace são detidos em frente à sede da Apple

Manifestantes denunciavam a "energia suja" usada para abastecer o centro de dados da empresa

AFP |

Dois militantes do Greenpeace foram presos na terça-feira em frente à sede da Apple na Califórnia (oeste dos Estados Unidos) durante uma intervenção para denunciar a "energia suja" que usa a empresa para alimentar seus centros de dados.

Os militantes se fecharam em uma espécie de cápsula gigante branca, de 2,5 metros de altura, instalada em frente à sede da firma em Cupertino.

Leia mais:
Ativista do Greenpeace entra em central nuclear francesa
Estudo do Greenpeace detecta tóxicos em roupas de multinacionais
Greenpeace protesta no Rio contra petrolífera estrangeira
Greenpeace ocupa usina de carvão na África do Sul

O Greenpeace confirmou a detenção de dois de seus membros pela polícia, mas não pode dizer quais são as acusações contra eles.

Antes da prisão, os militantes difundiram mensagens gravadas que pedem a Apple para recorrer a "energias limpas" para abastecer seus "centros digitais" em que estão armazenados, entre outros, os dados da nuvem (iCloud). Esta nuvem virtual permite gerar através da internet dados armazenados em servidores distantes.

O Greenpeace acusa a Apple de usar eletricidade produzida com carbono, um procedimento considerado contaminante, para fazer os centros de dados funcionarem.

"Até agora, os responsáveis da Apple ignoraram centenas de milhares de pessoas que pediram para usar sua influência para instalar uma 'nuvem' que funcione graças a fontes de energia renováveis", destacou o diretor de Greenpeace para os Estados Unidos, Phil Radford.

A Apple rejeitou estas acusações, explicando que a eletricidade usada por seu novo centro de dados localizado na Carolina do Norte (sudeste dos Estados Unidos) será, no futuro, procedente em 60% de energias renováveis.

    Leia tudo sobre: greenpeaceapple

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG