Bonn sedia rodada de negociações sobre mudanças climáticas

Negociadores estão elaborando emendas para o Protocolo de Kyoto

AFP |

Uma nova rodada de debates climáticos começou nesta segunda-feira (14) em Bonn, na Alemanha, com países ricos e pobres discutindo uma possível redução de gases estufa para frear o aquecimento global.

Enquanto a chefe para assuntos climáticos das Nações Unidas, Christiana Figueres, chamou a atenção para que todos os países transformem o discurso político em ações mais concretas para salvar o planeta, observadores e países em desenvolvimento insistiram que os países ricos deveriam se comprometer a atingir metas mais rigorosas para a redução de gases.

Figueres mencionou uma nova pesquisa que prevê que a temperatura da Terra deve subir cinco graus Celsius dos níveis pré-industriais até as taxas atuais, em vez dos dois graus almejados.

Leia mais:
Groenlândia é mais vulnerável ao aquecimento do que se pensava
Governo brasileiro não quer ligar Rio+20 às negociações climáticas

"Ainda temos uma enorme lacuna entre intenção e esforço", declarou Figueres aos jornalistas, enquanto especialistas e diplomatas de 170 países se encontravam para começar a lançar as bases para um novo pacto sobre aquecimento global, a ser finalizado em 2015.

Essa é a primeira reunião sobre aquecimento global desde que os países que integram as Nações Unidas concordaram na África do Sul, em dezembro passado, em deixar as taxas dos principais emissores abaixo de um teto determinado até 2020.

Ainda nesta segunda-feira, foi iniciada a elaboração de emendas para o Protocolo de Kyoto sobre o aquecimento global que devem ser adotadas na próxima conferência climática em Doha em novembro ou dezembro.

"Todos os países têm a responsabilidade de cumprir com a sua parcela correspondente, especialmente aqueles que apresentam um histórico de maiores níveis de emissão", afirmou a Aliança dos Pequenos Estados Insulares.

Um grupo de países menos desenvolvidos acusou os desenvolvidos de "tentar renegociar as taxas e decisões combinadas" em vez de cumprir com as promessas financeiras feitas para diminuir o aquecimento global no mundo desenvolvido.

O Greenpeace alertou a União Europeia para reforçar seu compromisso para reduzir seus gases estufa em 20%.

Contudo, o representante da UE, Christian Pilgaard Zinglersen, informou em uma coletiva de imprensa: "Não acho que a União Europeia vá mudar seus padrões" de emissões combinadas em Bonn.

Figueres considera que o processo político é "incrivelmente desafiador".

"Precisamos acalmar nossa animação com realismo", disse ela em uma conferência transmitida online, acrescentando que uma solução deve ser "tecnicamente possível e economicamente viável".

    Leia tudo sobre: aquecimento globalcoponu

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG