Falta de consenso nas conversações preparatórias em Nova York levou ONU a acrescentar uma rodada adicional de negociações

As areias movediças da geopolítica -marcadas pelo rápido crescimento das grandes economias emergentes, como Brasil e China, enquanto os países tradicionalmente ricos ficam para trás- poderão minar o avanço para definir metas de desenvolvimento sustentável da conferência da ONU no Rio , no mês que vem.

Novas divisões entre velhos aliados estão se somando às disputas antigas sobre finança e responsabilidade, enquanto as conversações preparatórias em Nova York na semana passada não conseguiram chegar a um consenso, levando a ONU a acrescentar uma rodada adicional de negociações ainda este mês.

Veja a cobertura completa sobre a conferência Rio+20 , que acontece em junho

A cúpula Rio+20 no Brasil deve atrair mais de 50 mil participantes de governos, empresas e grupos ambientalistas e de lobistas.

O evento tentará produzir metas de desenvolvimento sustentável na esfera das aspirações (e não mandatórias) para sete temas básicos -incluindo segurança alimentar, água e energia-, mas não buscará repetir o resultado da Cúpula da Terra no Rio, há 20 anos, que produziu o Protocolo de Kyoto para a limitação das emissões de gás-estufa e um tratado sobre biodiversidade.

Leia também: Rio+20 deveria levar países a assumirem compromissos

Uma razão para a mudança de objetivos é a guinada na geopolítica global ocorrida na esteira da força crescente de países como Brasil, África do Sul, Índia e China - classificados como países em "desenvolvimento", apesar do rápido crescimento, enquanto nações "desenvolvidas" como as da Europa, os EUA e o Japão enfrentam dificuldades com um crescimento mais lento.

"O mundo de 1992 não é o mesmo de 2012. Cada país agora terá de assumir a responsabilidade por garantir a sustentabilidade", disse à Reuters o comissário europeu para o Ambiente, Janez Potocnik.

"As negociações...estão preocupantes no atual estágio. O ritmo é relativamente lento e há uma certa falta de foco."

A guinada na geopolítica fortaleceu alguns países em desenvolvimento e mudou a forma como os países abordam determinadas questões, disse Samantha Smith, líder de iniciativas sobre o clima global e energia para o grupo ambiental WWF.

Criaram-se novas alianças entre os países e divisões recentes foram abertas, prejudicando o avanço em várias questões, especialmente no financiamento das metas de desenvolvimento.

"O que está acontecendo nas negociações reflete o que ocorre na geopolítica em geral", afirmou Smith.

Em um sinal do desafio enfrentado pelas autoridades governamentais, a ONU acrescentou cinco dias a mais de negociações em Nova York, entre 29 de maio a 2 de junho, a fim de salvar um texto em negociação que teve o tamanho multiplicado, mas foi diluído, depois do fracasso da rodada de negociações da semana passada.

Nova força
Embora as rixas tradicionais entre os países ricos e pobres persistam em questões como finanças, grupos estabelecidos de aliados estão se ramificando ou se separando como um reflexo de seu status de economia emergente.

O chamado G77 +China de países em desenvolvimento começou a se dividir em grupos ou em países individuais. O grupo que inclui Brasil, África do Sul, Índia e China (Basic) tem ganhado força e preparou um texto paralelo de negociação para ser circulado no mês que vem, afirmaram fontes.

A questão da arrecadação de fundos é um obstáculo importante, ecoando desacordos antigos em diferentes negociações da ONU para um pacto para a redução das emissões globais.

Nessa arena, os países industrializados são acusados há muito tempo de não arrecadar dinheiro rápido o bastante para ajudar os países mais vulneráveis a se adaptar à mudança climática, e um fundo destinado a ajudar a captar 100 bilhões de dólares por ano para assistência ainda está sem nada.

Países tradicionalmente mais ricos, como os da União Europeia, os EUA e o Japão, têm enfrentado tempos econômicos mais duros. Muitos países têm imposto medidas de austeridade aos seus cidadãos e cortado os gastos de forma drástica.

Alguns países em desenvolvimento estão preocupados de que a crise econômica forneça uma desculpa para as nações mais ricas se desvencilharem de antigos compromissos financeiros e evitem novos.

"Esperamos que a crise financeira, que atingiu tanto o mundo desenvolvido como o em desenvolvimento, não nos leve a termos uma visão estreita com relação ao resultado do Rio", disse Marlene Moses, presidente do bloco de negociação da Aliança dos Pequenos Estados Insulares.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.