Rio+20: mulheres se mobilizam para levar propostas à Cúpula dos Povos

Encontro no Rio de Janeiro quer debater questões femininas para serem levadas à conferência em junho

Agência Brasil |

s mulheres estão levantando propostas que serão apresentadas na Cúpula dos Povos, evento paralelo à Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ), em junho. Segundo Graciela Rodrigues, do Grupo de Articulação da Cúpula dos Povos, a ideia é formar um “território global das mulheres” durante o evento, onde serão discutidas as principais questões femininas.

O Encontro Estadual de Mulheres Rumo à Rio+20, que ocorre hoje (28) na Escola Municipal Calouste Goulbekian, na zona norte da cidade, discute temas como o uso racional da água, a acessibilidade aos locais de trabalho, horários adequados de descanso e também as opções de lazer. “O problema da falta de mobilidade urbana e de condições adequadas de trabalho nos leva a fazer parte desse importante debate”, destacou Graciela.

Leia todas as notícias sobre a Rio+20

Segundo ela, o objetivo é levantar os problemas que atingem as mulheres em decorrência de crises ambientais, de forma que elas possam se inserir em um movimento global por uma vida melhor e mais saudável.

Na avaliação de Graciela, as mulheres precisam atuar unidas na Cúpula dos Povos. “Basicamente, nossas principais posições já estão definidas. Falta fechar um consenso em torno dos principais pontos e é exatamente o que estamos buscando aqui [Encontro Estadual de Mulheres Rumo à Rio+20]. O fechamento das propostas e de como elas serão encaminhadas é o que nos motiva à realização de reuniões como esta.”

Veja também: Plataforma digital abre espaço para participação popular na Rio+20

As mulheres também estão se preparando, junto com outros movimentos sociais, para os momentos de convergência da cúpula e para as mobilizações públicas. “Uma delas será no dia 18 de junho, quando faremos uma caminhada do Aterro do Flamengo até o centro da cidade. É um dia para nós, mulheres, mostrarmos a cara e apontarmos as críticas ao modelo de capitalização e dos bens de consumo que vêm sendo adotados em todo o mundo.”

Segundo Graciela, as mulheres também vão participar de uma mobilização global e de uma marcha prevista para acontecer no dia 20 de junho, quando estarão presentes os chefes de Governo e de Estado que virão para a Rio+20.

    Leia tudo sobre: rio+20rio20conferênciadireitos humanos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG