Greenpeace protesta contra exploração de petróleo no Ártico

Maior produtora de petróleo da Rússia e companhia Exxon Mobil vão prospectar se existe petróleo no extremo norte do planeta

Reuters |

A polícia russa deteve duas dezenas de ativistas nesta terça-feira por protestarem contra a exploração de petróleo no Ártico, depois que a maior produtora de petróleo da Rússia assinou um acordo histórico com a Exxon Mobil para pesquisar conjuntamente a existência de petróleo no extremo norte do planeta.

Uma porta-voz do grupo ambiental, Vera Bakasheva, disse que 23 ativistas foram detidos por participar de um protesto não autorizado previamente diante da Conferência de Petróleo e Gás no Ártico, da Rússia.

"Queríamos passar a mensagem às pessoas da conferência de que a perfuração no Ártico é perigosa e precisa ser contida", disse Bakasheva.

Leia mais:
Degelo no Ártico pode redesenhar mapa geopolítico global
Redução do gelo no Ártico causa migração de espécies do Pacífico
Piscina de água doce se expande no Ártico, diz pesquisa
Redução do gelo no Ártico causa migração de espécies do Pacífico

O protesto foi organizado depois que a Rosneft e a Exxon firmaram uma parceira nesta semana garantindo acesso a ambas as partes às reservas pertencentes a uma e a outra.

O acordo abre caminho para que as duas companhias façam a prospecção por petróleo em três áreas do Mar de Kara, no Ártico russo. A Rosneft estima que haja ali uma reserva de 36 bilhões de barris de reservas recuperáveis.

    Leia tudo sobre: greenpeaceártico

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG