Maior templo da Roma antiga é reaberto ao público

Templo era visível para os visitantes do Fórum, mas o acesso estava interditado por causa das obras

AFP |

EFE
Templo de Venus e Roma é um impressionante monumento que imperador Adriano mandou construir em 121 d. C.
O maior templo da Roma antiga foi reaberto ao público nesta quinta-feira (11) após mais de 20 anos em obras. O anúncio ocorre em meio a uma tempestade política sobre a manutenção dos tesouros artísticos italianos, após o colapso da Casa dos Gladiadores em Pompeia.

O Templo de Vênus e Roma, construído durante o governo do imperador Adriano no século II (de 121 a 135), se situa no coração do Fórum Romano, perto do Coliseu. Do imenso edifício original com duas entradas restam dezenas de colunas e partes de duas absides com tetos ornamentados.

O templo era visível para os visitantes do Fórum, mas o acesso estava interditado por causa das obras. Até os anos 1980, carros podiam até mesmo estacionar em frente as suas colunas.

"Restauramos para Roma um dos mais importantes símbolos de poder e grandeza do Império Romano", declarou à AFP Claudia Del Monte, arquiteta encarregada da restauração durante a reinauguração do templo.

O trabalho de restauração foi centralizado, principalmente, na pavimentação do templo de Roma, nas melhorias nos vãos de sustentação do teto, enegrecidos pela poluição e limpeza de um esgoto próximo ao local.

Erguida nas ruínas da Domus Aurea - a casa do imperador Nero -, este templo comporta duas partes unidas: o templo de Vênus, deusa do amor e ancestral mística dos romanos e o templo de Roma Aeterna, deusa da cidade.

Mesmo fechado ao público, o templo vem sendo utilizado, desde o Papa João Paulo II, para cerimônias da Sexta-Feira Santa.

Del Monte explicou que certos aspectos da restauração não teriam sido necessários se o local tivesse sido mais bem conservado.

"Os italianos devem estar conscientes de seu patrimônio e parar de maltratá-lo", disse.

A reabertura ocorre na mesma época que o ministro da Cultura italiano Sandro Bondi está sendo ameaçado por um voto de censura por sua responsabilidade no colapso da Casa dos Gladiadores que ocorreu no sábado no sítio arqueológico de Pompeia, perto de Nápoles (sul).

Bondi, aliado de Silvio Berlusconi, defendeu-se vividamente e rejeitou qualquer responsabilidade.

    Leia tudo sobre: arqueologiaroma

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG