Radiação de tempestade solar se aproxima da Terra

Tempestade solar, a maior desde 2005, pode interferir em satélites, redes elétricas e sistemas de navegação como o GPS

EFE |

AP Photo/NASA
Imagem cedida pela Nasa mostra a erupção solar ocorrida no domingo
Cientistas afirmaram nesta segunda-feira (23) que a maior tempestade solar desde 2005 enviará radiações à Terra até a próxima quarta-feira.

A Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera (NOAA, na sigla em inglês) dos Estados Unidos indicou que seu Centro de Previsões de Clima Espacial, no Colorado, observou a erupção solar no domingo às 14h (de Brasília). A radiação começou a chegar à Terra uma hora mais tarde e continuará até quarta-feira.

O campo magnético da Terra já está afetado por uma ejeção de massa da coroa solar, após uma erupção ocorrida na superfície do Sol na quinta-feira, 19 de janeiro, segundo os astrônomos.

Leia mais:
Tempestade solar atinge a Terra "de raspão"
Cientistas criam métodos de detecção de atividade solar

Calmaria no Sol: manchas solares devem desaparecer em 2020

Tempestades solares podem causar catástrofes mundiais

Imagens captadas pela Nasa mostram rosto no Sol

A agência governamental afirmou que a tempestade ganha força e uma onda de radiação se dirige rapidamente à Terra.

"Devido a este fenômeno é quase certo que haverá uma tempestade geomagnética", ressaltou um comunicado da NOAA. "A labareda solar associada alcançou sua máxima altura no dia 23 de janeiro", acrescentou.

Um modelo informático feito pelo Centro de Previsões aponta que esta onda da tempestade terá seu maior efeito no campo magnético da Terra nesta terça-feira.

O problema principal desta radiação é a interferência com o funcionamento dos satélites e é um inconveniente em particular para os astronautas no espaço.

    Leia tudo sobre: EUA ESPAÇO

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG