Livro explica conceitos científicos a partir de tatuagens

Science Ink, de Carl Zimmer, mostra a tendência de usar imagens científicas para adornar o corpo

Maria Fernanda Ziegler, iG São Paulo |

Não deixa de ser um resultado inusitado da ciência: gerar imagens tão marcantes e cheias de significados a ponto de serem tatuadas em vários corpos espalhados pelo mundo. Até estrelas de Hollywood como Brad Pitt seguem a tendência. O ator tatuou no braço, em 2007 um silhueta de Ötzi, a múmia conhecida como Homem do Gelo .

O tema até virou livro. O jornalista americano Carl Zimmer, autor de vários livros sobre evolução, neurociência, parasitas e vírus, decidiu investigar se cientistas estavam tatuando suas pesquisas em seus corpos. Para isso, fez uma pergunta simples em seu blog – ele queria saber com se cientistas tinham tatuagens científicas -, e como resposta recebeu uma avalanche de imagens.

Hoje ele tem mais de 500 delas arquivadas em seu computador. A partir das fotos, ele fez o livro Science Ink (ainda sem tradução para o português) onde explica os conceitos científicos por trás das tatuagens.

São desenhos de neurônios, moléculas coloridíssimas se aglutinando, ou ainda teoremas matemáticos que parecem antigos pergaminhos. Há ainda descobertas fósseis marcantes, Darwin e teoria da relatividade.  O livro é separado por cada área da ciência, como matemática, astronomia, paleontologia e neurociência. Leia abaixo a entrevista de Carl Zimmer:

iG: O livro surgiu de uma desafio que o senhor lançou em seu blog em 2007. Por que resolveu fazer esta pergunta? O senhor imaginava que fosse receber tantas fotos?
Carl Zimmer:
Eu estava curioso para saber se os cientistas estavam escondendo suas tatuagens do mundo. Eu não tinha certeza se todos os cientistas tinham tatuagens além do um ou dois que eu já conhecia. Foi bem divertido para obter as primeiras cinco fotos. Mas depois de receber a 51ª foto, fiquei chocado. Eu não tinha me dado conta que tatuagens científicas eram tão comuns. Eu tenho mais de 500 fotos!

iG: O senhor identificou algum erro nas tatuagens?
Carl Zimmer:
Um bioquímico me mostrou que uma das tatuagens de DNA está torcida na direção errada.

iG: Quais as tatuagens o senhor achou mais interessante?
Carl Zimmer:
Eu gosto de tatuagens com histórias interessantes que têm histórias, como a de um bioquímico que tatuou uma proteína que é defeituosa em seu corpo por causa de uma doença genética que ele tem.

iG: Na sua opinião o que os leitores podem aprender com o livro?
Carl Zimmer
: Science Ink acabou se tornando uma introdução às principais disciplinas científicas. Para explicar as tatuagens no livro, eu escrevo sobre física quântica, neurociência, ecologia, sobre matemática, além de outras ideias importantes da ciência.

Leia também:
Grupo cria cartas de tarô com conceitos científicos
Livro traz um agradável olhar sobre os elementos químicos
A incrível e triste vida de Henrietta Lacks

iG: O senhor consegue explicar cientificamente porque as pessoas se tatuam?
Carl Zimmer:
Tatuagens são uma manifestaçãode nossa necessidade profunda de expressar nossa identidades e mostrar a nossa participação em um grupo. Tatuagens científicas não fogem desta regra.

Serviço:
Science Ink, Carl Zimmer
271 páginas, Sterling New York
Disponível na Livraria Cultura

    Leia tudo sobre: tatuagemciênciacarl zimmer

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG