Informática e internet auxiliam línguas ameaçadas de extinção

Projetos apresentados na AAAS mostram que equipes de linguistas criam programas e dicionários online para salvar idiomas e dialetos

AFP |

Getty Images
Os oito dicionários criados para cada uma das línguas ameaçadas têm mais de 32 mil palavras no total (foto de arquivo)
A informática e a internet estão sendo utilizadas por povos e cientistas para salvar línguas ameaçadas de extinção, com equipes de linguistas criando programas e dicionários online, segundo projetos apresentados durante uma conferência de ciências em Vancouver.

Mais da metade das cerca de 7 mil línguas e dialetos que ainda são falados no planeta terão desaparecido até o fim do século vítimas de mudanças culturais, de repressão governamental e de outros problemas, segundo estimativas dos meios científicos.

David Harrison, professor de linguística na Universidade Swartmore (Pensilvânia), é um dos principais responsáveis pela criação de oito dicionários especializados no âmbito de um projeto promovido pela Sociedade National Geographic , que edita a famosa revista.

Harrison apresentou seus trabalhos durante a conferência anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência (AAAS, em inglês), que é realizada desde quinta-feira em Vancouver (oeste do Canadá) e prosseguirá até segunda-feira.

Crença no sobrenatural: Acústica teria inspirado Stonehenge, segundo teoria científica

Em discussão: Clima, energia e medicina pautam o maior fórum científico mundial

"O efeito positivo da globalização faz com que hoje seja possível que uma língua falada por poucas pessoas e em alguns lugares muito isolados tenha, graças à tecnologia digital, uma presença e uma audiência planetária", explicou Harrison à durante a conferência da AAAS.

"A extinção de línguas não é inevitável", insistiu, revelando "uma tendência à revitalização linguística nestes dez últimos anos em todo o mundo".

"As pequenas comunidades linguísticas enfrentaram a falsa escolha ao ouvirem que sua língua fora superada e que precisavam renunciar a ela para poder abraçar a modernidade", criticou Harrison. Mas agora, "esses grupos linguísticos tomam consciência de que eles também podem ser cidadãos do mundo, aprender as línguas globais, como o inglês, conservando sua língua tradicional e os vastos conhecimentos" ancestrais vinculados a ela, disse.

Veja cobertura do iG na reunião de 2011:
Governo dos EUA anuncia plano de recuperação do Golfo do México
Ciência avança cada vez mais na interação cérebro e máquina
Mais de 500 milhões de planetas podem ter vida
Ursos diminuem drasticamente seu metabolismo durante hibernação
Dominar uma segunda língua traz benefícios ao cérebro
Estudo associa esquistossomose a asma em cidade baiana
Impressão biológica: o próximo passo da medicina
Tempestades solares podem causar catástrofes mundiais
Futuro do planeta depende de planejamento familiar e agricultura

Os oito dicionários criados para cada uma das línguas ameaçadas sobre as quais Harrison trabalhou têm mais de 32 mil palavras no total. Eles também possuem fotos de objetos culturais e ao menos 24 mil registros sonoros de frases e palavras pronunciadas pelas pessoas que falam fluentemente essas línguas.

Um desses dicionários é da língua Siletz Dee-ni, falada apenas em uma tribo ameríndia de Oregon (noroeste dos Estados Unidos). Um de seus membros, Alfred "Bud" Lane, um dos últimos a falar normalmente essa linguagem, explicitou os méritos da iniciativa. "O dicionário falante é e será um dos melhores meios que teremos para salvar a Siletz", disse Lane à imprensa via teleconferência.

"Ensinamos a língua na escola do vale de Siletz dois dias inteiros por semana e agora nossos jovens aprendem mais rápido do que eu havia imaginado", disse o ameríndio.

Entre as outras línguas contempladas nos projetos de dicionários da Sociedade National Geographic também aparece a Matukar Panau de Papua Nova Guiné, falada por 600 pessoas em apenas duas aldeias, e que nunca havia sido escrita ou registrada.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG