Estudo aponta que interação entre parasitas têm mais efeito na suscetibilidade à infecção do que fatores como a idade do paciente

A batalha de parasitas é muito mais complexa do que se imagina. Trata-se de uma verdadeira disputa campal e por recursos e a interação entre diferentes parasitas é determinante para o grau de infecção e a suscetibilidade ao ataque de outras doenças. Foi o que concluiu um grupo de pesquisadores que analisou por cinco anos a atuação de quatro tipos diferentes de parasitas. Os resultados, tomando amostras de sangue de cerca de 6.000 ratazanas selvagens, indicaram que as interações entre parasitas podem ter efeitos positivos e negativos para o hospedeiro.

Médicos e veterinários, ao estudar uma doença, devem levar em conta também as outras infecções que o indivíduo pode ter
Science/AAAS
Médicos e veterinários, ao estudar uma doença, devem levar em conta também as outras infecções que o indivíduo pode ter
O trabalho destacou que médicos e veterinários, ao estudar uma doença, devem levar em conta também as outras infecções que o indivíduo pode ter. “As interações entre parasitas no hospedeiro podem ser muito mais fortes e têm mais efeito sobre a suscetibilidade à infecção do que outros fatores comumente considerados em estudos de doenças como a idade do paciente e a estação do ano”, disse Sandra Telfer, do Instituto de Biologia e Ciências Ambientais da Universidade de Aberdeen (Escócia), que liderou o estudo publicado nesta edição da revista científica Science .

Interações
O estudo analisou 4 parasitas diferentes – vírus da varíola bovina, protozoário da Babesiose, a bactéria da Erliquiose e a bactéria Bartonella SP (que não afeta humanos) –, e mostrou que há grandes efeitos positivos e negativos de outras infecções na susceptibilidade.

Os pesquisadores descobriram que se um animal está infectado com o vírus da varíola bovina, ele tem maior probabilidade de se infectar com outros parasitas. Em contrapartida, tivemos também a evidência de inibição - se um animal está infectado com Babesia microti , o protozoário da Babesiose, é menos provável dele se infectar com Bartonella spp .

“Alguns parasitas, incluindo o vírus da varíola bovina, tentam manipular a resposta imune do hospedeiro, para que possam o infectar com êxito. Isso pode explicar por varíola bovina tende a aumentar a susceptibilidade a outros parasitas - porque o sistema imune do hospedeiro é temporariamente enfraquecido”, explica.

Os efeitos negativos entre Babesia microti e Bartonella spp. também podem ser explicada pelos seus efeitos no sistema imune do hospedeiro. “Neste caso, a infecção com uma espécie de parasita pode regular parte do sistema imunológico, por exemplo, as células que são responsáveis pelo ataque inicial de parasitas, o que torna difícil para o outro parasita obter sucesso ao infectar o hospedeiro”.

Outra alternativa, pode refletir os efeitos negativos da concorrência entre os parasitas para a alimentação dentro do hospedeiro. “Tanto Babesia e Bartonella infectam as células vermelhas do sangue, e assim, se um indivíduo já está infectado com Babesia, será difícil para a bactéria da Bartonella encontrar glóbulos vermelhos suficientes”, diz.

O estudo, que foi feito com ratos silvestres, tem também aplicações em humanos. “Assim como acontece com outras espécies animais, a maioria dos seres humanos é infectada com mais de uma espécie de parasita, simultânea ou sequencialmente. No entanto, a maioria dos estudos médicos considera apenas uma doença por vez”, disse

HIV
Entre os exemplos de aplicação do estudo está o vírus da AIDS, que de acordo com dados da Organização mundial da Saúde (OMS) 40,3 milhões de pessoas em todo o mundo são soropositivas - a grande maioria na África. O vírus da imunodeficiência humana (HIV) ataca o sistema imunológico do homem, responsável por defender o organismo de doenças. De acordo com estatísticas da Organização mundial de “Acredita-se que a alta prevalência de HIV na África pode estar dirigindo o aumento no número de casos de tuberculose no continente”, disse.

No entanto, estudos sobre a AIDS continuam tratando a doença isoladamente. “Se quisermos conhecer os riscos para um indivíduo ao contrair uma infecção, precisamos saber outros tipos de infecções ele tem, pois elas interagem”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.