Humanos e ratos aprendem a caminhar com mesmos comandos nervosos

Circuitos de neurônios envolvidos na locomoção são semelhantes nas duas espécies, comprovou estudo

AFP |

Getty Images
Mecanismo neurológico que permite a um bebê aprender a andar é o mesmo de ratos e outras espécies
Os seres humanos e os ratos aprendem a caminhar utilizando a mesma cadeia de comandos nervosos, segundo um estudo publicado nesta quinta-feira (17), que sugere que a locomoção em humanos e animais evoluiu a partir de uma mesma rede neuronal ancestral.

Os autores do artigo, publicado no periódico científico Science, descobriram que nos recém-nascidos, os neurônios da medula espinhal se ativam em duas fases: a primeira ordena as pernas a se dobrar e a se esticar, e a segunda alterna o movimento para avançar.

Leia também:
O homem aprendeu a andar na selva ou na savana?

“Lucy” tinha pé semelhante ao de humanos modernos
Cérebro de chimpanzés ao nascer é imaturo como o de bebês humanos

Os pesquisadores compararam a atividade elétrica produzida por 20 músculos de crianças e adultos com a marcha reflexa de um recém-nascido quando este é colocado na posição vertical.

O circuito neuronal das crianças muito pequenas requer quatro etapas para caminhar, não apenas transmitir as ordens de dobrar e esticar as pernas, mas também ordens mais sutis, como indicar aos dedos dos pés que se levantem do solo antes que a perna comece a se flexionar.

Circuitos semelhantes foram observados em ratos, e também em gatos, macacos e galinhas da Guiné.

Segundo esse estudo, uma vez superada esta primeira etapa da marcha reflexa nas crianças muito pequenas, a locomoção humana difere da dos animais aparentemente ao integrar complexos movimentos dos braços, como esticá-los e agarrar um objeto.

Apesar de o caminhar erguido sobre duas pernas diferenciar o ser humano do restante das espécies do reino animal, e provavelmente desempenhar um papel crucial em sua evolução, esse estudo mostra que a natureza conservou nos humanos um sistema nervoso antigo em alguns aspectos da função motriz, que continua sendo semelhante a de vários animais.

    Leia tudo sobre: anatomiaevoluçãoneurociênciaratosandar

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG