Homem moderno jamais coexistiu com Homo erectus, diz estudo

De acordo com nova análise, o Homo erectus estava extinto em Java há ao menos 143 mil anos

AFP |

O homem moderno jamais coexistiu com seu antepassado Homo erectus , revelou, nesta quarta-feira (29), novo estudo realizado pelo Projeto Solo River Terrace (SoRT, na sigla em inglês), grupo internacional liderado por Etty Indriati, da Universidade Gadjah Mada da Indonésia e Susan Anton, da Universidade de Nova York.

O Homo erectus é considerado o antepassado direto do Homo sapiens e se parece com o homem moderno em vários aspectos, mas seu cérebro era menor e o formato do crânio, diferente. O Homo erectus foi o primeiro de nossos parentes distantes a sair da África, há 1,8 milhão de anos, e desapareceu do continente africano e de grande parte da Ásia há 500 mil anos, mas suspeitava-se de sua presença na região de Ngandong, às margens do rio Solo, na ilha de Java (Indonésia), há entre 50 mil e 35 mil anos.

Como o Homo sapiens chegou à Indonésia há 40 mil anos, acreditava-se em uma possível presença comum em Java. Uma coexistência entre o Homo erectus e o Homo sapiens reforçaria a teoria de que o homem moderno substituiu seus ancestrais no processo de evolução. Mas a conclusão do projeto SoRT reforça a chamada "origem multirregional", que sugere que os humanos modernos são resultado de múltiplas contribuições genéticas, de diferentes grupos de hominídeos que viveram na África, Ásia e Europa.

Os pesquisadores do SoRT concluíram que, independentemente dos métodos utilizados, os fósseis do Homo erectus eram de um período bem anterior à chegada do Homo sapiens à região.Segundo as análises do SoRT, o Homo erectus estava extinto em Java há ao menos 143 mil anos, e mais provavelmente há 550 mil anos. Assim, "o Homo erectus provavelmente jamais coexistiu neste habitat com os humanos modernos", declarou Etty Indriati.

    Leia tudo sobre: EUAIndonésiaantropologia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG