Homem do Gelo tinha olhos castanhos e sangue tipo O

Descoberta foi feita com base no sequenciamento completo do genoma de Ötzi, uma múmia de 5300 encontrada nos Alpes

Alessandro Greco, especial para o iG |

Divulgação/Nature
Reconstituição de Ötzi foi refeita para incluir olhos castanhos
Ötzi, o caçador que viveu há 5,3 mil anos e ficou conhecido como o "Homem do Gelo" tinha olhos castanhos, sangue tipo O e era intolerante a lactose. A conclusão é de pesquisadores liderados por Albert Zink, da Academia Europeia de Bolzano, na Itália. “Ficamos surpresos com a cor dos olhos, pois acreditava-se que ele tinha olhos azuis. Já o grupo sanguíneo e a intolerância a lactose não nos surpreenderam. A mudança de intolerante para tolerante na Europa começou no Neolítico, mas demorou centenas de milhares de anos para se completar. Consequentemente era esperado que o Homem de Gelo tivesse essa característica”, afirmou Zink ao iG .

Leia mais sobre Ötzi:
Última refeição de Otzi, o homem do gelo, foi gordurosa
Nova reconstituição do homem de gelo Ötzi será exposta na Itália
Degelo revela técnicas de caça pré-vikings

O trabalho, publicado nesta terça-feira (28) no periódico científico Nature Communications, também desvendou outras características de Ötzi. “Estávamos buscando a descendência dele e checamos a predisposição a doenças. Descobrimos que ele tinha mutações genéticas que levavam a uma maior predisposição a doenças do coração”, explicou Zink. Isso confirmou o que uma uma tomografia já havia revelado: o Homem do Gelo tinha calcificação na aorta, na carótida e na ilíaca. No quesito descendência, a conclusão foi de que o homem de gelo é provavelmente um ancestral dos habitantes do mar Tirreno, em especial da Córsega e da Sardenha.

Veja outras doenças descobertas em múmias:
Cientistas descobrem múmia de 2.200 anos que tinha câncer
Exame em múmia egípcia de 3,5 mil anos revela doença cardíaca
Cientistas usam raio-x para não precisar dissecar múmia
Tumores pré-históricos geram debate sobre o câncer
Tutankamon morreu de doença sanguínea, dizem pesquisadores

Ao sequenciar o genoma do Homem do Gelo, os pesquisadores detectaram ainda a presença de um pedaço do genoma da bactéria Borrelia burgdorferi , responsável pela doença de Lyme, o que sugere que Otiz podia estar infectado por ela quando morreu.

O homem de gelo foi descoberto em 1991 nos Alpes Italianos por uma dupla de alpinistas.
Divulgação/Nature
A múmia foi encontrada nos Alpes italianos em 1991

    Leia tudo sobre: múmiaötzihomem do gelogenoma

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG