Grupo cria cartas de tarô com conceitos científicos

Baralho recria cada uma das cartas do tarô com imagens que vão de bactérias a buracos negros

Alessandro Greco, especial para o iG |

No início de outubro a Academia de Ciências da Califórnia, nos Estados Unidos recebeu um encontro inusitado: a festa de lançamento do Tarô Científico, um projeto que envolveu comunicadores da ciência e artistas para criar um baralho que ilustrasse conceitos científicos. Eles recriaram cada uma das cartas do tarô com imagens que vão de bactérias a buracos negros, passando pela aurora boreal e pela lei da ação e reação de Newton. “Nosso primeiro objetivo ao criar o tarô científico foi simplesmente o desejo de ver algo assim no mundo. Já deveria existir, mas não isto não acontecia. Adicionalmente tenho formação como cientista e como comunicadora de ciência e acreditava que um taro científico seria uma forma divertida de levar as pessoas que podem ter esquecido como é fantástico o aprendizado induzido sobre ciência e natureza”, afirmou ao iG Raven Hannah, que fez doutorado em biofísica e bioquímica e criou o baralho juntamente com Logan Austeja Daniel e Martin Azevedo.


Veja galeria com as cartas do Tarô Científico

O projeto, que começou em 2003, não passava no início de uma “viagem” do trio. “O conceito do Tarô Científico no começo era uma fantasia. Raven, Martin e eu estávamos fazendo um ‘brainstorm’ para uma instalação artística, quando falamos de unir conceitualmente histórias científicas com os mitos das nossas vidas e com os conceitos de cada carta de tarô coisas incríveis começaram a acontecer”, disse Logan ao iG . Com a ajuda de outros artistas o trio desenvolveu 22 cartas e levou para o festival de artes Burning Man, que ocorre anualmente no deserto de Nevada. Acharam tão divertido o projeto que resolveram fazer as 78 cartas do baralho com a ajuda de outros artistas.

Uma delas é o 7 de paus, representado por uma gigante vermelha, uma fase da vida das estrelas na qual seu tamanho se multiplicou centenas de vezes. “A casca em torno do núcleo em colapso da gigante vai ficando mais e mais quente e começa a fundir seu hidrogênio em hélio, tornando a estrela mais brilhante e fazendo as camadas mais externas se expandirem e ficarem mais frias e menos densas. Apesar de grandes pressões marcarem o início da sua jornada, estes últimos anos permitem uma criação com um alcance maior e um núcleo central mais denso. Aqui falamos de ‘encontrar a voz interior’ para descrever este estado maduro. Outros compromissos e diversões podem ficar de lado conforme o trabalho consome os dias cheios de criatividade e produtividade”, diz a carta. Para garantir que os conceitos colocados nas cartas estariam corretos, eles recorreram a cientistas. “Temos recebido um grande apoio da comunidade cientítica. Talvez porque” trabalhamos para garantir a acurácia científica, cientistas têm estado curiosos, têm nos apoiado e ficado até contentes com a mistura de arte, ciência e histórias humanas”, explica Raven.

Agora isso não quer dizer que ela acredita nos poderes mágicos das cartas. “Acredito que contemplar imagens simbólicas permite à nossa consciência acessar padrões que talvez apenas nosso subconsciente conhecia.”, completa Raven. 

O site do Tarô Científico, em inglês, pode ser acessado neste link

    Leia tudo sobre: tarôciência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG