Greve no Parque Kruger da África do Sul não afetará rinocerontes

Governo afirmou ter enviado policiais e para suprir funcionários em greve. Parque é o mais afetado pela caça clandestina

EFE |

BBC Brasil
Rinocerontes correm sério risco de extinção devido à caça ilegal para a obtenção de seus chifres
A instituição Parques Naturais da África do Sul (SANPARKS) garantiu nesta sexta-feira (3) a segurança dos rinocerontes no Parque Kruger, o maior do país e um dos mais afetados pela caça ilegal, apesar da greve de 361 empregados da reserva natural.

Em declarações à emissora sul-africana "Talk Radio", o porta-voz da SANPARKS, William Mabasa, afirmou que seu departamento irá fazer "tudo o que for necessário para que a proteção da fauna no parque seja a mesma que havia antes da greve".

O governo sul-africano enviou policiais, soldados e guardas para suprir os 361 empregados, que começaram nesta sexta-feira uma greve para reivindicar aumentos salariais.

Leia mais:
WWF adverte para risco de extinção dos rinocerontes
Cientistas captam imagem de rinoceronte ameaçado de extinção
África do Sul pode legalizar a venda de chifres de rinoceronte
Rinoceronte javanês do Vietnã está extinto, diz WWF

O Parque Kruger é o espaço protegido mais afetado pela caça clandestina de rinocerontes, que no ano passado abateu o número recorde de 443 animais, superando os 333 de 2010.

Os rinocerontes correm sério risco de extinção devido à caça ilegal para a obtenção de seus chifres, que é comercializado na Ásia por causa de suas supostas propriedades medicinais.

A polícia sul-africana prendeu 232 caçadores ilegais e 26 morreram em confrontos com os agentes no ano passado.

Nesta sexta-feira, um tribunal da África do Sul condenou a 35 anos de prisão cada um dos três caçadores ilegais de rinocerontes, a maior condenação até o momento por este tipo de crime no país.

    Leia tudo sobre: rinocerontescaça ilegal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG