Fragmentos de meteorito de Marte são encontrados no Marrocos

Cientistas confirmaram que os sete quilos de material rochoso em pedaços são oriundos do planeta vermelho

EFE |

AP
Meteorito Tissint: fragmentos rochosos ajudam cientistas a determinar composição de Marte e saber se já houve vida no planeta
Uma equipe internacional de cientistas confirmou nesta terça-feira (17) que procedem de Marte os fragmentos de um meteorito que foi visto caindo como uma bola de fogo no Marrocos em julho de 2011.

A Sociedade Internacional de Meteorítica e Ciência Planetária publicou em seu boletim os detalhes deste meteorito, batizado de Tissint e o maior que já chegou à Terra.

Trata-se de sete quilos de material rochoso em pedaços que vão desde um grama a quase um quilo, segundo explicou  Edward Scott, presidente da associação que agrupa 950 cientistas, incluindo vários funcionários da Nasa.

Os meteoritos são objetos compostos de rocha e metal que às vezes se desprendem dos diversos corpos do sistema solar e após viajarem pelo espaço caem nas superfícies da Terra, da Lua ou de qualquer outro corpo celeste.

A maioria dos meteoritos não é vista caindo, mas acaba encontrada algum tempo depois e é submetida então a uma série de testes para determinar sua procedência.

Daí a importância do Tissint, que caiu em julho e cujos restos começaram a ser recuperados em outubro, antes que o contato com a Terra começasse a afetá-lo.

Leia mais:
Autoridades procuram meteorito que caiu no México
Nasa descobre, no espaço, substâncias que compõem DNA
Cientistas afirmam que quase-cristais vieram do espaço
Meteorito revela segredo sobre nascimento do Sistema Solar
Cidade no Rio vira alvo de caçadores de meteorito

Estes fragmentos rochosos são fundamentais para ajudar os cientistas em seu estudo para determinar a composição de Marte e saber se já houve vida no planeta, como explicou a professora Lydia Hallis, do Instituto de Geofísica e Planetologia da Universidade do Havaí.

"Da química desses produtos podemos obter mais informações sobre o ambiente marciano ao longo do tempo, desvendando, por exemplo, se era comum que a água ficasse na superfície e, potencialmente, descobrir se em algum momento Marte foi apto a ter vida", indicou.

    Leia tudo sobre: EUA ESPAÇO

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG