Fóssil de pinguim gigante é descoberto no Peru

Animal media o dobro do pinguim imperador, tinha coloração avermelhada e vai ajudar no entendimento da evolução dos pinguins

Maria Fernanda Ziegler, iG São Paulo |

Uma descoberta no litoral peruano poderá ajudar a entender a evolução dos pinguins. Pesquisadores encontraram um fóssil de 36 milhões de anos que contém evidências bem preservadas de pena e escama. É a primeira vez que penas de pinguins fossilizadas são encontradas.

“Alguns aspectos da evolução dos pinguins ainda não estão claros até hoje. O pinguim encontrado no Peru tinha aspecto diferente e coloração cinza e marrom avermelhada. Embora coloração marrom ou cinza seja comum em filhotes de pinguim de hoje, os adultos atuais são preto e brancos, com aquele aspecto de ‘smoking’ característico”, disse ao iG, Julia Clarke, paleontóloga da Universidade do Texas e que liderou o estudo publicado no periódico científico Science .

A nova espécie de pinguim media cerca de 1,5 metro, duas vezes maior que o tamanho do pinguim imperador, o maior dos dias de hoje. Pesquisadores estimam que o Inkayacu paracasensis pesasse entre 55 kg e 60 kg. Ele também tinha nadadeiras diferentes, mais estreitas, o que confirma que a estrutura corporal dos pinguins sofreu modificações ao longo da evolução.

“Se você estivesse em uma praia da era Cenozóica, seria surpreendente avistar o pinguim gigante de coloração diferente. Não seria uma reação ao estilo do filme “Tubarão”, mas algo muito próximo, só que no mundo dos pinguins”, disse Julia.

Cientistas ainda não sabem a razão da diferença de cores. Eles especulam que as alterações poderiam estar relacionadas com demandas da vida aquática e às células de penas com melanoma do animal. De acordo com Jakob Vinther da Universidade de Yale, um dos co-autores da pesquisa, informações sobre a cor de organismos extintos podem revelar pistas sobre sua ecologia e comportamento.

Pedro, o escamoso
Primeiramente o pinguim gigante foi chamado de “Pedro o escamoso”, em homenagem a novela colombiana, até receber o nome de Inkayacu paracasensis . Inka na língua quechua quer dizer imperador e yacu , água; paracasensis está relacionada à reserva nacional Paracas, no Peru, onde ele foi localizado.

A nova espécie, Inkayacu paracasensis , faz parte do grupo já conhecido. É uma ramificação da linhagem de pinguins gigantes que há cerca de 50 milhões de anos - embora a nova espécie seja de cerca de 36 milhões de anos.

Seus parentes mais próximos viviam na Antártida e Nova Zelândia. Os parentes que viviam mais ao sul do planeta também eram do início da era Cenozóica. “Isto prova que os pinguins já migravam para baixas latitudes em períodos ainda mais antigos”, disse Julia.

    Leia tudo sobre: pinguimevoluçãofóssilpinguim gigante

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG