Novas escavações permitiram que pesquisadores identificassem três tipos de árvores em floresta fossilizada de 385 milhões de anos

Diferente do que se acreditava, há 385 milhões de anos já existia no planeta uma floresta densa, diversificada e com três tipos de árvores de até dez metros de altura e compostas por grandes galhos sem folhas. Também havia outro tipo de árvore com vários galhos desfolhados que formava um verdadeiro matagal. A descoberta se deu graças à reconstituição de 1200 metros quadrados de Gilboa, a floresta fossilizada mais antiga do mundo, que fica no estado de Nova York, Estados Unidos.

Sítio arqueológico: pesquisadores puderam mapear floresta fossilizada Gilboa
Photograph by William Stein
Sítio arqueológico: pesquisadores puderam mapear floresta fossilizada Gilboa
Pela primeira vez, os pesquisadores puderam investigar uma área grande desta floresta fossilizada. Como a maioria dos fósseis encontrada na superfície estavam na mesma área que cresceram, os pesquisadores puderam recrair um mapa com os tipos de plantas, caracteristicas e posicionamento. " É como descobrir o equivalente botânico de pegadas de dinossauros", disse William Stein, professor da Universidade de Binghamton, e um dos autores do artigo publicado no periódico científico Nature. "Mas a parte mais emocionante foi descobrir quantos tipos diferentes de 'pegadas' existiam. A área recém-descoberta foi preservada de tal forma que podíamos caminhar entre as árvores, observando de onde elas haviam surgido e medir sua altura”.

O estudo levou por água abaixo a antiga teoria de que a floresta de Gilboa era um pântano com apenas um tipo de planta especializada para crescer neste tipo de ecossistema. “Mostramos que existiam três tipos de árvores. Todas as provas afirmam que a floresta era mais diversificada do que pensávamos, e provavelmente não um pântano no sentido tradicional. Provavelmente ela continha muito mais carbono armazenado. Isto redefine a maneira como as florestas evoluiram ao longo dos anos no planeta”, disse ao iG Christopher Berry, paleobotânico da universidade de Cardiff, no País de Gales.

Leia mais:
Planta fóssil indica que girassol surgiu na América do Sul
Mistério de florestas fossilizadas na Antártida é desvendado
Avaliação de espécies de plantas ameaçadas deve ser reconsiderada
Plantas amazônicas estavam adaptadas para aquecimento global
Ovelhas alteram registro de anéis das árvores
Pesquisadores descobrem que cicas não são fósseis vivos

Os pesquisadores puderam determinar que estes três tipos de planta eram semelhantes às atuais cicas e samambaias, embora não tivessem parentesco com nenhuma delas. “O estudo nos mostra como estas árvores interagiam com o planeta, absorvendo CO 2 da atmosfera e criando ambientes para outras formas de vida terrestre há 385 milhões de anos”, disse ao iG Berry.

Sítio arqueológico: pesquisadores puderam mapear floresta fossilizada Gilboa
Photograph by William Stein
Sítio arqueológico: pesquisadores puderam mapear floresta fossilizada Gilboa

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.