Falha nos computadores causou perda de sonda russa Phobos-Grunt

Afirmação de diretor da agência espacial russa vai contra versão anterior de que problema teria sido provocado por radares dos EUA

EFE |

Uma falha nos computadores de bordo causou a perda da sonda russa Phobos-Grunt, que tinha como destino Phobos, uma das luas de Marte, informou nesta terça-feira (31) o diretor da agência espacial russa (Roscosmos), Vladimir Popovikin.

O chefe da Roscosmos revelou que conforme a comissão investigadora a causa "mais provável" da falha registrada em novembro foi uma "ação local de partículas pesadas do espaço cósmico".

"Dois equipamentos do sistema de computadores de bordo reiniciaram, o que os deixou em regime de máxima economia de energia e à espera de ordens", disse Popovikin, citado pela agência oficial "RIA Novosti", em reunião sobre o desenvolvimento do setor espacial.

As declarações de Popovkin jogam por terra a versão divulgada anteriormente por analistas russos de que a falha foi causada por emissões de radares americanos .

Logo após o lançamento, em oito de novembro, a sonda russa ficou na órbita terrestre ao invés de empreender sua viagem a Marte , sem o controle das estações terrestre de rastreamento.

Duas semanas depois, a Agência Espacial Europeia conseguiu receber sinais da Phobos-Grunt , um acontecimento que fez renascer as esperanças de recuperar o aparelho.

Porém, todos os esforços para recuperar a sonda foram em vão e o aparelho, com 13,5 toneladas, se chocou contra as camadas mais altas da atmosfera terrestre em 15 de janeiro .

Segundo a Roscosmos, os restos da sonda que não queimaram ao entrar na atmosfera caíram ao sul do Pacífico , a 1 mil quilômetros do litoral do Chile.

Leia mais:
Local exato da queda de sonda russa ainda é um mistério
Destroços de sonda russa caem no Oceano Pacífico
Rússia atribui fracassos espaciais podem ter "causas externas"
Sonda russa vai cair na Terra em janeiro
Agência espacial europeia desiste de tentar contato com Phobos-Grunt
Sonda russa Phobos-Grunt dá sinais de vida
Rússia não consegue estabelecer contato com sonda espacial
Sonda russa está na órbita terrestre e pode cair em breve

A Phobos-Grunt deveria completar uma missão de 34 meses que incluía o voo a Fobos, a aterrissagem em sua superfície e, finalmente, o retorno à Terra de uma cápsula com amostras do solo do satélite marciano.

O projeto, com custo de US$ 170 milhões, tinha como objetivo estudar a matéria inicial do sistema solar e ajudar a explicar a origem de Fobos e Deimos, a segunda lua marciana, assim como dos demais satélites naturais do sistema solar.

    Leia tudo sobre: RÚSSIA ESPAÇO

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG