Arqueólogos se dividem quanto a se estátua descoberta em Arles, no sul da França, é mesmo um retrato do imperador romano

AFP
"César de Arles": busto é considerado representação mais antiga de Júlio César, mas não se sabe se se trata mesmo do imperador
O ar grave, o olhar penetrante, a cabeça inclinada: no museu do Louvre, em Paris, um busto em mármore encontrado nas águas do rio Ródano, em Arles (sul), em 2007, e identificado como o de Júlio César, vem sendo motivo de muitas especulações sobre o verdadeiro rosto do vencedor da guerra da Gália.

Apresentado como parte da exposição "Arles, les fouilles du Rhône", Arles, as escavações do Ródano, inaugurada nesta sexta-feira, a imagem transmite poder e severidade, o que convém à representação que se faz de César, nascido em Roma no ano 100 a.C. e assassinado no ano 44 a.C. por conspiradores que se opunham à sua ditadura.

Leia mais:
Exposição em Roma tenta reabilitar imagem de Nero

Maior templo da Roma antiga é reaberto ao público
Esgoto de cidade soterrada revela segredos sobre Roma Antiga
Mosaico de 16 metros é revelado abaixo de antigas termas em Roma

O arqueólogo Luc Long, diretor do sítio de escavações subaquáticas de Arles, sentiu que era ele assim que a cabeça foi retirada das águas do rio. "Depois, a intuição foi confirmada", disse.

"O estudo, que repousa sobre um conjunto de argumentos de ordem estilística, anatômica, geológica e histórica tende a confirmar que o retrato descoberto no Ródano combina com a fisionomia muito individualizada do ditador, no momento da fundação da colônia romana de Arles", escreveu Luc Long, curador geral do patrimônio.

O Louvre entra neste dossiê confrontando, de forma inédita, até o dia 25 de junho, o "César de Arles" com um busto em mármore branco de César encontrado no sítio arqueológico de Tusculum na Itália, no início do século XIX e conservado no museu antigo de Turim.

"É o mesmo homem? Há semelhanças e diferenças, o que se parece um pouco com o jogo dos sete erros", revela Jean-Luc Martinez, diretor do departamento des Antiguidades gregas, etruscas e romanas do museu do Louvre.

César, que era considerado um homem galante, tinha uma calvície precoce, o que encontramos nas duas imagens, assim como as faces fundas.

Mas o César de Arles tinha o nariz arqueado e a cabeça mais redonda. O César de Tusculum apresenta, por sua vez, uma curiosa deformação na cabeça do lado esquerdo. "Nenhum escrito sobre ele mencionou uma tal particularidade", revela Martinez, curador da exposição.

O retrato de Arles é o de César? "Eu me interrogo sobre isto", comentou Martinez. "Mas minha convicção íntima é de que se trata muito provavelmente de César", acrescentou ele.

"Por que uma outra pessoa teria tido o luxo de importar um mármore grego da Frígia" (Turquia atual)?, pergunta-se Martinez.

As rugas bem marcadas do busto falam de sua experiência, o que era uma garantia de autoridade para os romanos.

Do ponto de vista técnico, a escultura parece datar dos anos 50 e 30 a.C. Ora, César refundou a cidade de Arles em 46 a. C. no final de suas conquistas militares na Gália. Ele criou, aí, uma colônia romana.

A imagem, de grande qualidade, pode ter sido realizada por um artista grego de talento, considera Martinez, representando um homem de cerca de 50 anos. As rugas bem marcadas falam de sua experiência, o que era uma garantia de autoridade para os romanos. O olhar de lado e a leve torção de pescoço do homem impulsionam uma dinâmica, uma convicção, revela Martinez.

"Queremos que o público compreenda como se pode identificar um retrato antigo", destacou ele.

A descoberta divide os especialistas. "A metade pensa que se trata de César e a outra, não acha isto", resume Martinez. "Vamos esclarecer tudo durante uma mesa-redonda que vai reunir, no dia 20 de junho, no Louvre, pesquisadores franceses e estrangeiros", acrescentou ele.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.