Explosão da Challenger faz 25 anos

Catástrofe foi a primeira a ser acompanhada ao vivo pela televisão. Veja galeria e vídeo

iG São Paulo |

Há 25 anos, as imagens da explosão da nave espacial Challenger chocaram o mundo. O acidente ocorrido em 28 de janeiro de 1986 continua sendo o fracasso mais emblemático do programa espacial americano. Foram apenas 73 segundos de voo, seguidos pela explosão em cima do Oceano Atlântico.

Foi a primeira catástrofe acompanhada ao vivo pela televisão. De suas casas, crianças acompanharam a tragédia da tela de suas TVs, na manhã que deveria ser marcada para celebrar a primeira ida ao espaço de um civil, Christa McAuliffe, uma professora de New Hampshire de 37 anos.

Mas não havia o que comemorar. Christa e os outros seis tripulantes do ônibus espacial morreram em frente às câmeras.

Hoje (28), centenas de pessoas se reuniram no local onde ocorreu o lançamento em homenagem aos 25º aniversário do desastre da Challenger.

A cerimônia contou com a presença de diretores da agência espacial, ex-astronautas, amigos e familiares dos tripulantes mortos no acidente e alunos de escolas, que ainda não eram nascidos quando a nave espacial que levou uma professora explodiu no céu.

June Scobee Rodgers, viúva do comandante da Challenger, Dick Scobee, pediu a multidão que tivesse a "ousadia olhar para o futuro" não só em viagens espaciais, mas também em relação ao espaço e ao estudo de ciências. Ela foi fundamental na criação do Centro Espacial Challenger de Ciências da Educação.

"O mundo inteiro sabia como a tripulação do Challenger morreram", disse ela. "Nós queríamos que o mundo soubesse como eles viviam e por que eles estavam arriscando suas vidas". Veja o vídeo:

Segurança rudimentar
Um dos anéis de vedação no tanque externo de combustível sólido da nave se rompeu logo após o lançamento, causando um incêndio seguido de explosão.

O compartimento onde estava a tripulação subiu como uma bola de fogo, intacto, e continuou subindo por mais cinco quilômetros antes da queda. A queda livre durou mais de dois minutos. Investigações posteriores mostraram que provavelmente boa parte da tripulação ainda estava viva durante este tempo -- o impacto com a água é que foi o golpe final.

Não havia nenhum paraquedas para desacelerar a descida e nenhum sistema de ejeção. A Nasa havia ignorado esses procedimentos de segurança durante o desenvolvimento e fabricação da Challenger. A viagem espacial foi considerada tão corriqueira, que os sete tripulantes da espaçonave usavam apenas macacões azuis e capacetes de motoqueiro para a decolagem.

Após o acidente, uma comissão de investigação ligada à Casa Branca descobriu que as causas da tragédia foram falha na inspeção dos equipamentos, aliada à pressão para que o lançamento acontecesse dentro do cronograma previsto pela agência espacial.

"A tripulação do ônibus espacial Challenger nos honrou pela maneira em que viveram suas vidas", disse Ronald Reagan, na época presidente dos Estados Unidos, em um pronunciamento. "Nós nunca iremos esquecê-los, e também não esqueceremos a última vez que os vimos, nesta manhã, quando se preparavam para a viagem e acenaram e abandonaram os cruéis limites da Terra para tocar a face de Deus".

A Nasa lançou com segurança outras 24 naves ao espaço, após a catástrofe da Challenger. Dezessete anos depois, mais sete astronautas morreram, no fim de sua missão a bordo do ônibus espacial Columbia. Em vez de foguetes propulsores de lançamento e tempo de congelamento, a culpa foi o tanque de combustível de espuma. No entanto, as semelhanças entre Challenger e Columbia são assombrosas: Outra tripulação multiétnica morreu, decisões infelizes, muita intolerância na cultura de trabalho, e uma enorme pressão para que o lançamento ocorresse.

Na mesma semana que a Nasa relembra o 25º aniversário do desastre da Challenger, o ônibus espacial Discovery segue em terra após sucessivos lançamentos serem cancelados por causa de problemas no tanque de combustível.

A agência espacial americana espera conseguir lançar a Discovery em fevereiro. A nave Endeavour, substituta da Challenger, seguirá em abril. Ela será lançada com ou sem o comandante Mark Kelly, marido de Gabrielle Giffords, congressista baleada no atentado de Tucson, Arizona, em 8 de janeiro deste ano. A Atlantis deverá encerrar o programa de 30 anos de ônibus espacial, com um vôo entre junho e setembro deste ano.

(Com informações da AP)

    Leia tudo sobre: challengernasaespaço

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG