Estudo mostra que elefantes aprendem rápido e sabem cooperar

Experiências na Tailândia mostra que os grandes animais conseguem trabalhar em conjunto para resolver problemas

iG São Paulo |

Getty Images
Uma tromba ajuda a outra: estudo mostra que elefantes cooperam entre si
Elefantes aprendem rápido a cooperar entre si para resolver um problema, diz uma pesquisa da Universidade de Cambridge, divulgada nesta segunda-feira (9). Os mamíferos gigantes são socialmente bastante complexos, afirmou Joshua M. Plotnik, líder da pesquisa que foi publicada no periódico científico Proceedings of the National Academy of Sciences.

“Os elefantes ajudam uns aos outros em momentos de adversidade”, diz. “Eles parecem estar emocionalmente ligados, então é de se esperar algum nível de cooperação”. Mas, ele completou: “Fiquei surpreso em ver como eles aprenderam rápido”.

Segundo o estudo, elefantes aprendem tão rápido quanto chimpanzés, os colocando nos mesmos patamares de inteligência de grandes primatas, golfinhos e corvos, explicou Plotnik, pesquisador do departamento de psicologia experimental da Universidade de Cambridge.

A pesquisa foi conduzida na Tailândia, e envolvia porções de comida colocadas em uma plataforma conectada ao chão por uma corda. Os elefantes ficavam atrás de uma cerca. Para chegar à comida, eles tinham que puxar as duas pontas da corda ao mesmo tempo, para arrastar a plataforma por baixo da cerca. Se puxassem apenas uma ponta, apenas a corda chegaria a eles.

Seis pares de elefantes foram testados mais de 40 vezes, em dois dias, e todas as duplas descobriram a solução, conseguindo a comida em pelo menos oito das dez últimas tentativas.

Depois, os cientistas soltaram os animais na área de testes separadamente, com até 45 segundos de diferença entre eles. Eles rapidamente aprenderam a esperar por seus parceiros, com taxas de sucesso entre 88 e 97%.

No entanto, um elefante jovem chegou ao que os pesquisadores chamaram de solução “pouco convencional” para o problema: ela prendia uma das pontas da corda com o pé, “forçando sua parceira a fazer todo o esforço de recuperar a comida sozinha.”
Em outra experiência, os cientistas deixaram apenas uma ponta da corta ao alcance dos elefantes, e a outra enrolada em cima da mesa. Os elefantes não tentaram puxar a corda, parecendo entender que o esforço não daria certo se seus parceiros não pudessem puxar a outra ponta.

A diferença entre aprendizado e entendimento é difícil de disntinguir, concluíram os pesquisadores, mas os elefantes tiveram comportamento cooperativo e prestaram atenção em seu companheiro.

Adam Stone, gerente do programa de elefantes do Zoológico de Atlanta, nos EUA, disse ser significativo o fato dos animais aprenderem tão rápido. “Estamos entendendo melhor a incrível mente do elefante,” afirmou o expert, que não esteve envolvido nos experimentos.

Sempre foi presumido que aprendizado e cooperação estavam limitados aos primatas, e “é interessante ver que outras espécies também podem fazê-lo”, disse. E entender como eles pensam pode ser útil para sua conservação no ambiente selvagem, afirmou.

Don Moore, diretor associado de cuidados animais no Zoológico Smithsonian, disse que observações anteriores sugeriam que os animais cooperavam entre si, mas que isso ainda não havia sido experimentalmente testado até agora. “Elefantes são garndes, são sociais, vivem por muito tempo e são realmente muito inteligentes,” afirmou.

(Com informações da AP)

    Leia tudo sobre: elefantestailândiainteligência animal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG