Estudo mostra que chimpanzés matam para ampliar território

Pesquisadores da Universidade de Michigan acompanharam brigas territoriais em Uganda durante dez anos

AFP |

Getty Images
Estudiosos acreditam que chimpanzés briguem até a morte para aumentar seu território de domínio
Há tempos sabe-se que os chimpanzés matam uns aos outros, mas agora os cientistas conhecem as razões: um estudo em Current Biology mostrou que esses primatas, os parentes mais próximos dos humanos, matam seus companheiros de espécie para expandir seu território.

"Os chimpanzés matam uns aos outros. Matam seus vizinhos", afirma John Mitani, principal autor do estudo publicado na segunda-feira (21), que recolheu observações de 10 anos de chimpanzés em Ngogo, no Parque Nacional Kibale em Uganda. "Nossas observações indicam que o fazem para ampliar seus territórios a custa de suas vítimas".

Mitani, professor de antropologia na Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, e seus colegas observaram e documentaram 18 ataques mortais de chimpanzés e encontraram provas conclusivas de três assassinatos entre estes primatas.

Os ataques ocorreram principalmente quando grupos menores de chimpanzés foram "patrulhar" o território das comunidades vizinhas destes animais.

Após as mortes, os cientistas observaram que os chimpanzés aumentaram seu território em 22%. Os animais desfrutam assim de maior acesso aos alimentos e, possivelmente, a mais fêmeas.

"Já que o território recém adquirido corresponde à zona antes ocupada por muitas das vítimas, sugerimos que existe um elo entre os atos anteriores de agressão intergrupal letal e a expansão territorial posterior", disse Mitani.

Nem filhotes foram poupados
Sylvia Amsler, professora de antropologia na Universidade de Arkansas, que realizou a pesquisa de campo para este projeto, foi uma das cientistas que observou uma violenta incursão no noroeste do território dos chimpanzés em Ngogo.

Amsler disse que 27 machos adultos e jovens e uma fêmea adulta surpreenderam um grupo menor de chimpanzés fêmeas que pertenciam à comunidade vizinha. Duas das fêmeas tinham também filhotes.

Os atacantes machos mataram alguns filhotes e feriram gravemente outro, ao tentarem - sem sucesso - retirá-lo dos braços da mãe.

Os chimpanzés são os animais mais próximos dos seres humanos, razão pela qual os pesquisadores costumam estudar seu comportamento em busca de pistas sobre a origem e a evolução humana.

As conclusões básicas do estudo não jogam muita luz sobre as complexas razões pelas quais os humanos vão à guerra, mas podem revelar pistas sobre a cooperação humana, indicaram os pesquisadores, que mencionaram a colaboração e o trabalho em equipe, assim como a redistribuição de recursos extraordinários para os membros do grupo.

    Leia tudo sobre: primataschimpanzésviolência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG