Estudo faz macaco mexer e sentir objetos virtuais só com o pensamento

Experimento do brasileiro Nicolelis permitirá que paraplégicos manuseiem objetos tendo sensação tátil; leia a entrevista ao iG

Maria Fernanda Ziegler, iG São Paulo |

Katie Zhuang
Pesquisadores conseguiram demonstrar, pela primeira vez que é possível mexer e sentir objetos virtuais usando apenas o pensamento
Mover objetos virtuais a partir do pensamento e com o auxílio de uma prótese ligada ao cérebro já é complexo. Agora, pesquisadores liderados pelo neurocientista brasileiro Miguel Nicolelis conseguiram avançar esta tecnologia e demonstrar que é possível também sentir e movimentar objetos virtuais a partir do pensamento.

O teste realizado em dois macacos rhesus é inédito por juntar movimento e sensação tátil. No futuro próximo, pacientes paralisados por lesões na medula espinhal poderão recuperar não só o movimento, mas as sensações por meio de um exoesqueleto com esta tecnologia, por exemplo.

“Este é o trabalho mais completo e mais importante na área interação cérebro-máquina para que a gente possa ter certeza de que é possível fazer aplicações clínicas que unam movimento e sensação tátil”, afirmou ao iG o neurocientista Miguel Nicolelis que publicou o estudo na edição desta semana do periódico científico Nature.

O pesquisador acredita que com o sucesso do experimento realizado em macacos seja possível, em dois ou três anos, aplicá-lo na construção de um exoesqueleto controlado pela atividade cerebral que permita movimento a pacientes paraplégicos. Simultaneamente sensores distribuídos no exoesqueleto darão o feedback necessário para que o cérebro do paciente receba a informação tátil.

Leia mais:
Miguel Nicolelis quer espalhar ciência pelo Brasil
Ciência avança cada vez mais na interação cérebro e máquina
Estudante paraplégico "anda" em formatura usando exoesqueleto

O experimento foi realizado em dois macacos reshus ( Macaca mulatta ) que receberam eletrodos em seus cérebros que estavam ligados a um computador. Sem mover nenhuma parte do corpo, os animais passaram a movimentar o braço virtual usando apenas a atividade elétrica do cérebro. Os macacos passam, então a movimentar este braço virtual e a explorar três objetos que são visualmente iguais, porém com diferentes texturas virtuais. As diferentes texturas dos objetos virtuais são expressadas por diferentes padrões de tempo emitidos pelos sinais elétricos aos cérebros dos macacos.

“Ele passa a mão virtual controlando esse movimento pelo pensamento e depois recebe informação sobre a textura através de um sinal elétrico que vai direto para o cérebro dele. O macaco realiza esta tarefa de discriminação tátil sem nenhuma interferência do corpo. Diretamente controlando o movimento e recebendo feedback e isso basicamente permite que ele realize uma tarefa tão complexa como que ele realizaria com a própria mão”, explicou Nicolelis ao iG .

Nicolelis afirma que tem o sonho de apresentar o exoesqueleto com capacidade motora e tátil na abertura da Copa do Mundo, em 2014, no Brasil. “O paciente paraplégico entraria com os jogadores da seleção no campo e andar com os seus próprios meios até o meio de campo e dar o chute inicial usando sua veste robótica”, disse.

Veja vídeo em inglês da Duke University que mostra como o ambiente virtual usado pelas cobaias:

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG