Estudo com uso de karaokê descobre 'área da vergonha' no cérebro

Voluntários tiveram de ouvir a si mesmos cantando My Girl, dos Temptations, enquanto seu nível de embaraço era medido

iG São Paulo |

Gravar as pessoas num karaokê e, depois, pedir que ouçam a própria voz, sem o acompanhamento da música de fundo, pode parecer um castigo cruel. Mas, para um grupo de pesquisadores da Universidade da Califórnia, foi esse o experimento que revelou qual a parte do cérebro responsável pela vergonha.

O experimento envolveu uma maioria de pessoas com problemas neurodegenerativos, o que ajudou os cientistas a identificar um pedaço de tecido cerebral, do tamanho de um polegar, como fundamental para a sensação de embaraço. Essa área fica no hemisfério direito do cérebro e é chamada córtex cingulado pregunal anterior.

O grau de vergonha que as pessoas sentiram ao ouvir a si mesmas entoando My Girl – o hit de 1964 dos Temptations – dependeu da integridade dessa região em particular.

“Em pessoas saudáveis, ouvir a si mesmo cantando é consideravelmente embaraçoso”, disse, por meio de nota, Virginia Sturm, estudante de pós-doutorado da Universidade da Califórnia em San Francisco. A pressão sanguínea sobe, o batimento cardíaco aumenta de frequência e a respiração muda, explicou ela.

Pessoas com o córtex cingulado danificado, no entanto, revelaram maior indiferença ao mico. “O estado dessa região do cérebro permitiu prever o comportamento”, declarou a pesquisadora.

O trabalho foi apresentado na reunião anual da Academia de Neurologia dos Estados Unidos, que acontece no Havaí.

Leia também:

Cientistas publicam Atlas online do cérebro humano

    Leia tudo sobre: cérebrovergonhakaraokê

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG