Estudo analisa as mortes caninas por raça

Animais maiores tendem a ter doenças crônicas, como câncer, enquanto pequenos, a causa mais comum foi trauma

The NewYork Times |

Getty Images
Estudo mostrou que doenças como câncer são causas de morte mais comuns em cães grandes
A maioria dos donos de cachorros e veterinários sabe que cachorros pequenos vivem mais que os grandes. Porém, até pouco tempo atrás, não existia um exame completo e sistemático sobre causas de morte ligadas a raças.

Agora, um grupo de pesquisadores analisou mais de 74 mil casos de morte canina, registrados de 1984 a 2004 no Veterinary Medicine Database, registro do Instituto Nacional do Câncer que recebe dados de 27 hospitais veterinários na América do Norte.

Leia também:
Cães identificam câncer de intestino em fase inicial

Fotógrafo de animais retrata amizade de cães e gatos
Cães: funcionamento e formato do cérebro variam conforme raça

A análise, publicada na edição de março/abril de “The Journal of Veterinary Internal Medicine”, descobriu que as causas de morte mais comuns variam consideravelmente por raça e idade.

Golden retrievers e boxers mostraram maior ocorrência de câncer, a principal causa de morte canina no total. Em diversas raças pequenas – como chihuahuas, pequineses, spitz alemães e poodles – o câncer foi muito menos comum. Para eles, a principal causa de morte foi o trauma (lesão por pancada).

Doenças do sistema nervoso central foram a causa de morte mais comum em cachorros mais velhos, enquanto doenças gastrointestinais afetaram igualmente todas as idades. A morte por doenças do sistema locomotor foram mais comum em raças maiores, mas os cachorros grandes sofreram menos de problemas neurológicos e endócrinos.

Os autores reconhecem que o estudo é retrospectivo e sujeito a erros de classificação, tanto de raças quanto de doenças. Mesmo assim, Kate E. Creevy, coautora e professora assistente de medicina veterinária na Universidade da Georgia, afirmou que conhecer as doenças a que uma raça tem propensão é bastante útil. “Podemos usar essa informação para evitar as doenças, em vez de apenas tratá-las”, explicou Kate.

    Leia tudo sobre: cãesdoenças

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG