Animais maiores tendem a ter doenças crônicas, como câncer, enquanto pequenos, a causa mais comum foi trauma

Estudo mostrou que doenças como câncer são causas de morte mais comuns em cães grandes
Getty Images
Estudo mostrou que doenças como câncer são causas de morte mais comuns em cães grandes
A maioria dos donos de cachorros e veterinários sabe que cachorros pequenos vivem mais que os grandes. Porém, até pouco tempo atrás, não existia um exame completo e sistemático sobre causas de morte ligadas a raças.

Agora, um grupo de pesquisadores analisou mais de 74 mil casos de morte canina, registrados de 1984 a 2004 no Veterinary Medicine Database, registro do Instituto Nacional do Câncer que recebe dados de 27 hospitais veterinários na América do Norte.

Leia também:
Cães identificam câncer de intestino em fase inicial

Fotógrafo de animais retrata amizade de cães e gatos
Cães: funcionamento e formato do cérebro variam conforme raça

A análise, publicada na edição de março/abril de “The Journal of Veterinary Internal Medicine”, descobriu que as causas de morte mais comuns variam consideravelmente por raça e idade.

Golden retrievers e boxers mostraram maior ocorrência de câncer, a principal causa de morte canina no total. Em diversas raças pequenas – como chihuahuas, pequineses, spitz alemães e poodles – o câncer foi muito menos comum. Para eles, a principal causa de morte foi o trauma (lesão por pancada).

Doenças do sistema nervoso central foram a causa de morte mais comum em cachorros mais velhos, enquanto doenças gastrointestinais afetaram igualmente todas as idades. A morte por doenças do sistema locomotor foram mais comum em raças maiores, mas os cachorros grandes sofreram menos de problemas neurológicos e endócrinos.

Os autores reconhecem que o estudo é retrospectivo e sujeito a erros de classificação, tanto de raças quanto de doenças. Mesmo assim, Kate E. Creevy, coautora e professora assistente de medicina veterinária na Universidade da Georgia, afirmou que conhecer as doenças a que uma raça tem propensão é bastante útil. “Podemos usar essa informação para evitar as doenças, em vez de apenas tratá-las”, explicou Kate.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.