Estudo afirma que primatas passaram a viver em grupos abruptamente

Transição para modo de vida gregário aconteceu ao mesmo tempo em que os primatas deixaram de ter hábitos noturnos

EFE |

Michael Nichols / National Geographic Image Sales
Seres gregários: estudo afirma que vida em grandes grupos pode ter sido um "trampolim" para a criação de sociedades mais complexas
Os primatas deixaram de viver sozinhos e passaram a viver em grandes grupos, de maneira abrupta. De acordo com o estudo da Universidade de Oxford, os primatas ficaram gregários ao  mesmo tempo em deixaram de ter uma vida noturna . O salto social pode estar relacionado com uma adaptação, que buscava proteger os primatas do risco que implicava viver à noite.

Susanne Shultz, do Instituto de Antropologia Cognitiva e Evolutiva da Universidade de Oxford,afirma que a sociabilidade dos primatas é o que os diferencia da maioria das outras espécies e é provável que isto tenha sido um "trampolim" para a criação de sociedades mais complexas.

Leia mais:
Primatas envelhecem como seres humanos
Estudo mostra que as unhas apareceram nos primatas há 55 milhões de anos
Primatas podem ter surgido na Ásia e se desenvolvido na África
Especialistas acreditam que babuínos são capazes de estabelecer analogias
Macacos reconhecem 'amigos' em fotos, diz estudo
Memória dos macacos vai muito além do que eles enxergam

O estudo publicado nesta semana na revista "Nature" também mostrou que a preferência por uma vida diurna resultou em um salto evolutivo relacionado com a sociabilidade, que pode ajudar a entender melhor o comportamento social dos primeiros seres humanos.

Pesquisadores de Oxford estudaram a história e as relações de primatas para entender como seu comportamento evoluiu ao longo dos anos. Segundo a especialista, o comportamento que podemos observar nas espécies atuais é muito influenciado pelo comportamento de seus antepassados.

A análise contou com informações de mais de 200 espécies de todo o mundo, reconstruindo o comportamento dos primatas ancestrais durante um período de 70 mil anos.

    Leia tudo sobre: primatasevolução

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG