Sonda russa cairá perto do litoral do Chile

Agência espacial russa estima que queda dos fragmentos da Phobos-Grunt ocorra domingo à tarde

EFE |

Os fragmentos da sonda russa Phobos-Grunt, que por uma falha ainda não esclarecida ficou na órbita terrestre ao invés de seguir para Marte, cairão neste domingo no Oceano Pacífico perto do litoral do Chile, informou neste sábado a Roscosmos, a agência espacial russa.

"O momento mais provável da queda dos restos do aparelho espacial Phobos-Grunt será às 21h51 no horário de Moscou (15h51 de Brasília) de 15 de janeiro", diz o comunicado.

Na sexta-feira, Roscosmos previa a queda dos fragmentos da estação no Oceano Atlântico e dias antes também cogitou o Oceano Índico. Pelos dados deste sábado, o equipamento está em órbita a uma altura máxima de 174,2 quilômetros e mínima de 149,7 quilômetros.

"Uma equipe operacional acompanha constantemente a descida do aparelho", indicou a agência espacial russa. Anteriormente, a agência aeroespacial russa Roscosmos havia informado que o peso total dos 20 a 30 fragmentos da Phobos-Grunt que chocarão contra a Terra chegaria a 200 quilos.

Lançada em 9 de novembro, a Phobos-Grunt devia completar uma missão de 34 meses que incluía o voo a Phobos, uma das duas luas de Marte, a descida até a superfície e, finalmente, o retorno à Terra de uma cápsula com mostras do solo do satélite marciano.

Leia mais:
Rússia atribui fracassos espaciais podem ter "causas externas"
Sonda russa vai cair na Terra em janeiro
Agência espacial europeia desiste de tentar contato com Phobos-Grunt
Sonda russa Phobos-Grunt dá sinais de vida
Rússia não consegue estabelecer contato com sonda espacial
Sonda russa está na órbita terrestre e pode cair em breve

O projeto, com custo de US$ 170 milhões, tinha como objetivo estudar a matéria inicial do sistema solar e ajudar a explicar a origem de Phobos e Deimos, a segunda lua marciana, assim como dos demais satélites naturais no sistema solar. Neste sábado em Moscou foi anunciada a prorrogação por mais algumas semanas das investigações sobre as causas da falha que impediu o cumprimento da missão.

Nos últimos meses, duas naves também se chocaram com a Terra: o satélite meteorológico americano UARS, que caiu em setembro no oceano Pacífico e o alemão ROSAT, um mês depois, no Índico .

    Leia tudo sobre: rússiaespaçophobos-grunt

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG