Especialistas dos EUA autorizam publicação de estudos sobre gripe aviária

Conselho de biossegurança havia recomendado, em dezembro, que estudos sobre vírus mutante da gripe aviária não fossem publicados

EFE |

O Conselho Consultivo Nacional de Biossegurança dos Estados Unidos recomendou  a publicação de dois estudos sobre variantes do vírus da gripe aviária (H5N1) que se propagam entre mamíferos. A decisão foi tomada quatro meses após ter aconselhado que os resultados dos estudos não fossem divulgados por medo de que pudessem ser usados para fabricar armas biológicas.

"Os dados descritos não parecem proporcionar informação que permitiria o mau uso das pesquisas e que colocassem em perigo a saúde pública ou a segurança nacional", explicou o conselho em comunicado publicado na sexta (30).

A instituição recomendou em dezembro que os estudos, que estavam prontos para serem divulgados pelas revistas "Nature" e "Science", não fossem publicados por temer que as pesquisas fossem utilizadas para fins terroristas.

Leia mais:

Cientistas suspendem estudo sobre gripe aviária
Revistas científicas avaliam publicar estudo sobre vírus mortal
OMS está "profundamente preocupada" com mutação da gripe aviária
Cientistas descobrem novo anticorpo da gripe

A proibição da divulgação gerou críticas entre a comunidade científica e as duas revistas, que classificaram a medida como censura. Em janeiro, os cientistas que criaram uma versão do vírus da gripe disseram que fariam uma pausa de dois meses nas pesquisas por causa da polêmica gerada pelo estudo.

Os estudos foram realizados nas universidades Erasmus Universiteit Rotterdam, na Holanda, e de Wisconsin, nos EUA. As pesquisas foram realizadas com mutações genéticas do vírus H5N1 que podem se propagar entre mamíferos (e portanto entre humanos).

Um dos objetivos principais dos estudos era obter informação necessária para evitar uma possível pandemia originada por esta variante e criar uma vacina que protegesse das novas cepas.

Normalmente, o vírus H5N1 é transmitido entre aves e o contágio para humanos ocorre raramente, por isso se a doença atingir uma pessoa é considerada altamente letal.

Em fevereiro, especialistas mundiais convocados pela Organização Mundial da Saúde concordaram em adiar a publicação dos estudos. Após revisar as pesquisas nesta semana, os analistas do conselho decidiram por unanimidade liberar a divulgação do estudo da Universidade de Wisconsin, enquanto seis dos 12 membros da instituição aprovaram a publicação da pesquisa feita na Holanda.

    Leia tudo sobre: ciênciagripe aviáriabioterrorismo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG