Equipe internacional decifra genoma do piolho

Estudo vai ajudar a entender a evolução do inseto e desenvolver novos métodos de extermínio

iG São Paulo |

© AP
Piolho: companheiro do homem há milhões de anos
Uma equipe internacional de cientistas decifrou o genoma de um dos companheiros mais inseparáveis do homem: o Pediculus humanus também conhecido como piolho.

O estudo, publicado na revista científica Proceedings of the National Atcademy of Sciences (PNAS) traz novas informações sobre a biologia humana e a deste inseto e pode trazer novos meios de eliminar o parasita. Os autores do estudo decifraram, ainda, o genoma de uma bactéria que vive  em simbiose com ele.

O genoma do piolho é o menor já decifrado de um inseto, destacam os cientistas com estudos publicados na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) de 21 de junho.

O parasita, medindo de 2 a 3 milímetros de comprimento, é totalmente dependente dos humanos para sua sobrevivência e desapareceria da Terra se estivesse separado deles por muito tempo.

O corpo do piolho conta, ainda, com "o menor número de enzimas de desintoxicação observadas em qualquer outro inseto", disse John Clarck, pesquisador da Universidade de Massachusetts e um dos autores do estudo. Este número reduzido de enzimas de desintoxicação faz com que o organismo do piolho seja potencialmente promissor para o estudo da resistência aos inseticidas e outros mecanismos de defesa, acrescentou Pittendrigh.

Os pesquisadores dizem que aparentemente o piolho humano e o de chimpanzés evoluíram de um ancestral comum entre 5 a 7 milhões de anos atrás.

"Além da sua importância na saúde pública, o genoma do piolho vai ajudar consideravelmente a entender melhor a evolução dos insetos," disse May R. Berenbaum, chefe do departamento de entomologia da Universidade de Illinois, em comunicado. 

(Com informações da AFP e AP)

    Leia tudo sobre: genomapiolhogenética

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG