Encontrada tumba de sacrificador pré-hispânico no Peru

Arqueólogos dizem que achado é significativo por ampliar conhecimento sobre cultura indígena região do norte do Peru

AFP |

Arqueólogos peruanos encontraram no norte do Peru a tumba de um personagem encarregado de sacrifícios humanos da cultura Lambayeque (700 a 1375 d.C) que estava enterrado com facões e oferendas humanas, informou o pesquisador Carlos Wester.

"Encontramos a tumba em perfeito estado de um sacrificador da cultura Lambayeque com seus facões de cobre e oferendas humanas a seu redor", disse Wester, diretor do museu Bruning de Lambayeque, encarregado dos trabalhos de pesquisa.

O arqueólogo explicou que esse antigo personagem pré-hispânico de cerca de 20 a 30 anos de idade "desempenhou um papel importante nas cerimônias dos sacrifícios humanos" da cultura Lambayeque, localizada na região Lambayeque, a 791 km de Lima.

"Trata-se de um sacrificador, ou seja, da pessoa encarregada dos sacrifícios humanos, porque tem um facão na altura da pélvis, adicionalmente tem outro nos pés e mais um colocado como oferenda", afirmou Wester.

Assegurou que "a reiteração desse instrumento (facão) faz pensar que este personagem usava o objeto para participar dos rituais de sacrifício".

A tumba foi encontrada em um local denominado "cerimonial da fertilidade e da água", há uma semana no complexo arqueológico Chotuna Chornancap.

Junto à tumba foram encontrados restos humanos, facões cerimoniais entre os quais se destaca um com lâmina de cobre de cerca de 20 centímetros, vasilhas de cerâmica, uma vestimenta confeccionada com algodão nativo e uma série de discos laminados de cobre, entre outros objetos.

A cultura Lambayeque ou Sicán surgiu por volta do século VIII, manteve-se até 1375 e teve seu apogeu entre os anos 900 e 1100.

Essa civilização cultuava o "senhor de Sicán", o personagem da cultura religiosa mais prestigiado do norte do Peru durante 600 anos.

Durante os 200 anos de apogeu dessa cultura, existiram de sete a oito "senhores de Sicán", que representavam o poder celestial na terra. Eram descritos fisicamente com máscaras de olhos alados e orelhas pontudas, afirmou o arqueólogo.

    Leia tudo sobre: arqueologiaperu

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG